CIDADE. Pesquisa sobre clima no Parque dos Morros já tem resultados parciais. Trabalho iniciou há um ano

CIDADE. Pesquisa sobre clima no Parque dos Morros já tem resultados parciais. Trabalho iniciou há um ano

CIDADE. Pesquisa sobre clima no Parque dos Morros já tem resultados parciais. Trabalho iniciou há um ano - prefeitura-parque

Parceria foi estabelecida entre Secretaria de Meio Ambiente e Departamento de Geociências da Universidade Federal de Santa Maria

Por GUILHERME SUPERTI (com foto de Divulgação), da Assessoria de Imprensa da Prefeitura

Com o objetivo de investigar a variabilidade do clima no Parque Natural Municipal dos Morros (PNMM), a Secretaria Municipal de Meio Ambiente estabeleceu uma parceria com o Departamento de Geociências da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Os dados coletados no período de um ano foram comparados com os dados da Estação Meteorológica da UFSM e com os coletados no Bairro Nossa Senhora do Perpétuo Socorro.

A pesquisa, que ainda está em andamento, é coordenada pelo professor Cássio Arthur Wollmann e consistiu na instalação de equipamentos que monitoravam, a cada hora, a temperatura, a umidade relativa do ar e o índice pluviométrico no Parque.

“Com os dados, será possível calcular diversas variáveis do clima, como a ocorrência de geadas e a variabilidade noturna e diurna das condições meteorológicas do Parque, comparando-as com os dados da cidade e da UFSM”, destaca o professor.

Os dados mostram que a média anual da temperatura do ar naquela área ficou semelhante à média analisada na Estação Meteorológica da UFSM, com 20,1°C e 19,8°C, respectivamente. Já em relação à coleta realizada no Bairro Perpétuo Socorro, no perímetro urbano, dados mostram que a média foi de 21°C.

Já em relação à umidade do ar, o Parque mostrou-se menos úmido que a UFSM e que o Centro da cidade. O motivo disso, segundo Cássio Wollmann, se dá devido ao efeito da altitude. Já em relação ao índice pluviométrico, o Parque superou em 51% a média de Santa Maria, chovendo 2.447,5mm.

O secretário adjunto de Meio Ambiente, Guilherme Rocha, destaca que os dados comprovam a importância da conservação da área para o meio ambiente e para a cidade.

“A importância dessa pesquisa foi corroborar que, a área estando bem conservada, cria-se um efeito muito positivo para a regulação do clima em boa parte da cidade, amenizando o calor provocado pela urbanização. Além de ser um local de coleta livre da água da chuva”, disse o secretário Guilherme Rocha.

PARA LER A ÍNTEGRA, NO ORIGINAL, CLIQUE AQUI.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *