TRANSPORTE. Caminhoneiros prometem greve, mas há rachaduras no movimento que iniciaria na segunda

TRANSPORTE. Caminhoneiros prometem greve, mas há rachaduras no movimento que iniciaria na segunda

TRANSPORTE. Caminhoneiros prometem greve, mas há rachaduras no movimento que iniciaria na segunda - congresso-em-foco-caminhoneiros

Greve dos caminhoneiros paralisou o país em maio de 2018. E pelo menos parte da categoria anuncia repetição agora, no fim do ano

Do portal Congresso em Foco, com texto de ERICK MOTA e foto de Reprodução/Arquivo

No último dia 8, uma das lideranças dos caminhoneiros autônomos, Marconi França, anunciou que a categoria vai realizar uma paralisação na próxima segunda-feira (16). Em vídeo gravado na sede da Central Única dos Trabalhadores (CUT) do Rio de Janeiro, Marconi afirmou que a greve seria massiva e iria “parar o Brasil”. Porém, lideranças que participaram da paralisação de 2018, afirmam que o movimento está sendo puxado pela esquerda com o objetivo de atrapalhar o governo Bolsonaro e que, por isso, a categoria não irá aderir com o mesmo peso.

Além de representantes do Nordeste, estavam presentes no vídeo de divulgação caminhoneiros de São Paulo, Goiás, Rio de Janeiro, Paraíba e  Mato Grosso. Segundo Marconi, o que está motivando a paralisação é a insatisfação com o governo de Jair Bolsonaro, que não teria cumprido promessas aos trabalhadores. Segundo o blog da Vera Batista, do jornal Correio Braziliense, primeiro veículo a divulgar o ato, “pelo menos 70%” dos cerca de 4,5 milhões de profissionais autônomos e celetistas devem parar.

Marconi, que assumiu contar com o apoio da CUT, foi além e chamou a população a abraçar a greve junto com a categoria. “Você pai e mãe de família que não está satisfeito com o preço da gasolina, com o preço do gás. Essa briga é por todos”, disse.

Wanderlei Alves, conhecido como Dedeco, foi uma das lideranças que mobilizou as paralisações de 2018. Ele afirma que desta vez a mobilização não conta com apoio amplo dentro da categoria. Dedeco diz que essa é uma manobra da esquerda para atrapalhar o governo Bolsonaro. Segundo o caminhoneiro, esta greve não terá força.

Mudando o discurso que tinha em abril, Wanderlei afirma que os profissionais estão sendo atendidos pelo governo Bolsonaro. “Em relação à categoria, ele está atendendo todas as pautas da categoria. Ele está com as portas abertas para a categoria. É uma meio dúzia de lideranças de esquerda que querem tocar o terror. Querem fazer o caos para derrubar o governo e querem usar os caminhoneiros como massa de manobra”, diz Dedeco.

A reportagem entrou em contato com a CUT, mas não obteve resposta.

PARA LER A ÍNTEGRA, NO ORIGINAL, CLIQUE AQUI.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *