COVID-19. ‘Não trabalho com hipótese de comércio fechado ate junho’, afirma governador Eduardo Leite

COVID-19. ‘Não trabalho com hipótese de comércio fechado ate junho’, afirma governador Eduardo Leite

COVID-19. ‘Não trabalho com hipótese de comércio fechado ate junho’, afirma governador Eduardo Leite - correio-do-povo-leite

Governador Leite, na entrevista coletiva, afirmou que estruturação do sistema de saúde é prioridade frente à pandemia de Covid-19

Da Redação do jornal Correio do Povo, com foto de Reprodução/Facebook e acréscimo claudemiriano

Sem se comprometer com prazos e afirmando trabalhar apenas com “evidências científicas”, o governador Eduardo Leite voltou a reforçar, em coletiva nesta quarta-feira, que a determinação para a reabertura do comércio só irá acontecer quando o governo tiver “clareza” que os indicadores apontam uma segurança na estruturação do sistema de saúde pública. Entretanto, disse que decisão sobre o fechamento dos serviços considerados não essenciais não deve durar até junho – quando o Ministério da Saúde projeta o pico da pandemia de Covid-19 no país.

“Não trabalhamos com a hipótese de comércio fechado até junho”, disse Eduardo Leite sem apontar se o decreto será prorrogado ou não. “Estamos estruturando toda a retaguarda hospital, incrementando até 60% o número de leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) do Sistema Único de Saúde (SUS) para garantir que tenhamos estruturas para atender os casos”, afirmou o governador em live transmitida pelo Facebook.

Com 260 casos confirmados de coronavírus e cinco mortes pela doença, a Capital é a cidade que “merece maior atenção”, destacou o governador. Ele disse ainda que acompanha de perto, junto ao prefeito Nelson Marchezan Jr, a situação epidemiológica local e demonstrou apoio à possibilidade do uso da força policial “naquilo que se faz necessário”. Segundo dados da Secretaria Estadual de Saúde (SES), o Estado possui 508 casos confirmados de Covid-19 e nove óbitos decorrentes da doença, sendo cinco em Porto Alegre, dois em Novo Hamburgo, um em Ivoti e o mais recente em Alvorada.

Nesta terça-feira, a SES notificou a morte da primeira profissional de saúde do Estado por coronavírus. A vítima é uma enfermeira, de 44 anos, residente de Alvorada, que trabalhava no Grupo Hospitalar Conceição, na Capital. “Lamentamos todas as mortes ocorridas até aqui em função do Covid-19. Todas elas nos deixam consternados. Mas tem uma que precisa ser destacada por dois motivos: porque é a primeira profissional da área da saúde e a vítima mais jovem do Estado”, apontou Eduardo Leite durante coletiva. De terça-feira para hoje, o Rio Grande do Sul teve o crescimento de 9,3% nos casos confirmados. Para Leite, o cenário “redobra a necessidade das políticas de distanciamento social…”

PARA LER A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI.

ACRÉSCIMO CLAUDEMIRIANO: os números oficiais de vítimas em função da pandemia, no Estado, se modificaram no início da noite desta quarta-feira, com o ANÚNCIO da morte de um idoso, em Porto Alegre e também de um paciente de 53 anos, em Passo fundo.

PARA VER E OUVIR A PALAVRA DO GOVERNADOR, CONFIRA O VÍDEO ABAIXO:

 



1 comentário

  1. O Brando

    Problema é que o tal pico iria acontecer em abril, meados de abril. Depois falaram em final de abril. Agora já falam em maio. Questão é que ficam comparando com São Paulo ou NY. Cacequi é bem diferente de POA, por exemplo. tratamento deveria ser diferente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *