BrasilMeio AmbienteNegócios

MEIO AMBIENTE. Ibama aplica o menor número de multas em 21 anos. Enquanto isso, o desmate cresce

Área devastada na Amazônia: o Brasil tem menos atuações por infrações ambientais e aumento na área desmatada nas últimas décadas

Do site Poder360. Reportagem de TIAGO MALI e PAULO SILVA PINTO, com foto da Agência Brasil

O Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) registrou 2.518 autuações ambientais de janeiro a maio. É uma queda de 54% em relação ao mesmo período de 2019. O 1º ano de governo do presidente Jair Bolsonaro já havia registrado a menor marca desde 2000.

O valor dos autos de infração caiu para R$ 390 milhões. No mesmo período de 2019, foi de R$ 1,06 bilhão. A queda foi de 63%.

Por orientação do Ibama, o Poder360 fez a comparação incluindo autuações que ainda não estão em processo de cobrança. Novas regras do fim de 2019 fizeram com que os autos demorem mais para entrar nessa fase.

Também de janeiro a maio, os alertas de desmatamento subiram 35% em comparação com o ano passado e chegaram a cobrir área recorde de 2.034 km². Os números apontam para uma nova alta da área desmatada. Em 2019, o Brasil registrou o maior desmatamento em 11 anos….”

PARA LER A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo