EducaçãoInfânciaPolíticaSaúde

ARTIGO. Valdeci Oliveira e uma posição contrária ao retorno às aulas, como pretende o Governo do Estado

Retomar aulas presenciais agora é flertar com a tragédia

Por VALDECI OLIVEIRA (*)

Revoltante e irresponsável. Eu teria outros adjetivos para ilustrar a postura do governo estadual em querer que crianças e adolescentes retornem às aulas presenciais a partir de 31 de agosto. Mas passados mais de 150 dias do início oficial da pandemia, com casos e óbitos em curva ascendente, que colocam o RS entre os sete estados brasileiros em estágio acelerado, ambos os termos dão conta da classificação.

Argumenta o senhor governador que a proposta se baseia em indicadores de saúde, que as turmas não ficarão abarrotadas, que serão comprados equipamentos de proteção individual (EPIs) e será respeitado o distanciamento entre os jovens, etc.

Quando ouço tais argumentos lembro das promessas feitas no início da crise e que incluíam a testagem na população – que nunca foi feita como deveria -, que se buscaria o fornecimento de equipamentos e acesso à internet aos alunos, que todas as decisões do executivo gaúcho em torno do problema seriam baseadas na ciência e que a fórmula mágica do distanciamento social controlado seria capaz de orientar, com segurança, a vida dos gaúchos e gaúchas. Deu no que deu.

Continua fresco em minha memória que, no surgimento do novo coronavírus, algumas autoridades insistiram na afirmação de que apenas os idosos ou pessoas com comorbidades integravam o grupo de risco. A realidade mostrou que estavam errados, pois milhares de vítimas com perfil distinto daquele destacado também tombaram pelo caminho.

Na semana passada, médicos e cientistas identificaram sintomas em crianças, que acreditam ter relação com a covid-19. Tida como grave e rara por pesquisadores, a síndrome inflamatória multissistêmica pediátrica (SIM-P), tende a atingir desde bebês com idades a partir dos sete meses a adolescentes com até 16 anos. Ainda cercada de dúvidas, a doença já contabiliza mais de 70 casos no Brasil e superou a casa dos 300 no mundo, sendo registrada também em países como EUA, França e Reino Unido. Sobre isso a Sociedade Brasileira de Pediatria emitiu nota de alerta. Em casos de complicação, os resultados são aneurismas na artéria coronária e óbito.

Mas a estrada do problema é mais longa. O retorno das aulas envolve, além da circulação de alunos, uma grande movimentação de pessoas, incluindo pais, professores, funcionários de escolas e profissionais do transporte escolar. Retomar as atividades escolares sem, no mínimo, oferecer garantias concretas de segurança a todos é flertar, novamente, com a tragédia. É importante destacar que as crianças, por apresentarem poucos sintomas, se tornam vetores de circulação da doença.

Fora todas essas questões, levantamentos feitos com prefeitos pela Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs) e junto à comunidade escolar pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) mostram que há uma unanimidade contrária ao retorno neste momento. No caso dos chefes dos executivos, o índice beira os 94%, sendo que 39% apoiam a volta somente após uma vacina, 35%, se houver redução significativa dos casos e 26%, somente no ano que vem.

No caso da pesquisa do Dieese, realizada a pedido do CPERS, com diretores, vice-diretores, professores, funcionários, orientadores educacionais, pais e alunos da rede pública estadual de ensino, 70% afirmam que as unidades as quais estão vinculados não possuem espaços físicos adequados para atender alunos mantendo o distanciamento e os ambientes arejados. E 67% sentem-se ameaçados quando precisam frequentar o ambiente escolar.

Já que o governador continua assegurando aos gaúchos e gaúchas que suas decisões são elaboradas a partir de análises técnico-científicas, peço a ele que leia um estudo feito por pesquisadores sul-coreanos junto a 60 mil pessoas e publicado recentemente pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças, nos Estados Unidos. Os dados demonstram que, quando comparadas a outras faixas etárias – apesar de as chances de crianças de até 9 anos transmitirem o vírus serem menores – a vulnerabilidade daquelas com idades entre 10 e 19 anos são as mesmas constatadas em pessoas adultas. Dessa forma, levando-se em conta o perfil estudantil, uma volta às aulas, neste momento, provavelmente resultará em aumento dos casos de infecção e a surtos nas escolas e junto às famílias dos estudantes, que levariam o vírus para suas casas e, inclusive, para seus avós, que fazem parte do público de maior risco.

Governador, não somos somente o país vice-campeão mundial no triste pódio das contaminações e mortos. Somos também liderança global nos casos de óbitos entre bebês e jovens menores de 20 anos. O retorno às aulas agora também se mostraria como uma espécie de “cereja do bolo” para os educadores, cujo prato principal – salários defasados e pagos sempre em atraso – vem sendo servido nos últimos 68 meses.

(*) Valdeci Oliveira, que escreve sempre as sextas-feiras, é deputado estadual pelo PT e foi vereador, deputado federal e prefeito de Santa Maria. Também é Coordenador da Frente Parlamentar em Defesa da Duplicação da RSC-287

Observação do editor: a imagem (seu autoria identificada) que ilustra este artigo é uma reprodução da internet. Ela foi extraída deste site: AQUI

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo