CulturaDestaque

CULTURA. Projeto VIDEODANÇA RS cria obras com 6 grupos gaúchos. Royale, de SM, é contemplada

Atividade será gratuita e aberta à participação da comunidade

Por Carlinhos Santos

Dando visibilidade ao trabalho de grupos de dança de seis diferentes regiões do Estado com a produção de videodanças e documentários, o VIDEODANÇA RS começa no próximo dia 25 de janeiro com uma oficina de formação em produção audiovisual. Contemplado no Edital de Concurso Produções Culturais – SEDAC-RS nº 09/2020, da Lei nº 14.017/2020, a Lei Aldir Blanc, o projeto também prevê o fomento das economias criativas nos seis lugares onde será realizado pela MOOV.art, produtora de vídeo especializada em dança do diretor Fernando Muniz. Na abertura da proposta, a ideia é ensinar justamente como se faz um videodança em uma oficina virtual. Além de focar na formação dos grupos envolvidos, a atividade será gratuita e aberta à participação das comunidades.

O projeto vai mobilizar os grupos de Dança Giro Livre, de Santana do Livramento; Grupo Lado B da Rua, da ONG Parceiros do Bem, de Santo Ângelo; a Royale Escola de Dança e Integração Social, de Santa Maria; Cirandeira da Cultura Popular, de Caxias do Sul; o Rua em Cena, de Pelotas; e a FlashBlack Cia de Dança, de Porto Alegre. Eles serão protagonistas de seis obras artísticas em formato de videodança. A proposta dos vídeos registrar o trabalho coreográfico de cada grupo, suas nuances e variações, nos cenários das regiões Metropolitana, Sul, Centro, Serra, Missões e Campanha.

Além dos videodanças, também será produzido um documentário em curta-metragem de cada grupo contando sua trajetória e os desafios de se manter em atividade nas suas regiões e no contexto da dança gaúcha. O projeto também prevê cachê de R$ 10 mil para cada formação e contratação de profissionais de produção e figurino em cada região, gerando renda e fortalecendo a economia criativa desses lugares. Outra ação é a realização, nas seis cidades visitadas, de oficinas presenciais de introdução à produção de videodança para estudantes do ensino médio da rede estadual de educação.

Outro foco do VIDEODANÇA RS é evidenciar a existência de uma rede de coletivos de trabalho independente e sem patrocínios na cena da dança gaúcha que se mobilizam através de ONGs, escolas e grupos, apostando na transformação social através da arte, promovendo formação e inclusão. É significativo ainda a diversidade de linguagens que o projeto vai registrar, dando visibilidade e afirmando o protagonismo feminino, o trabalho de artistas negros e pessoas com deficiência física, além de intérpretes ligados às questões LGBTBQI+ que, em suas trajetórias, transitam pela dança contemporânea, o ballet clássico, as danças afro-populares e as danças urbanas

Reforçando um dos principais objetivos da Lei de Emergência Cultural, o VIDEODANÇA RS mobilizará, de forma remunerada, cerca de 80 pessoas, entre bailarinos, coreógrafos, costureiras, produtores locais, produtor de trilha sonora e equipe de realização audiovisual.

Todo o material audiovisual e os documentários ganharão visibilidade em diferentes plataformas e mídias de comunicação, apostando na habilidade da videodança em explorar o hibridismo, a diversidade e as instâncias estéticas que mesclam, de maneira fluida, elementos do audiovisual e da dança.

Os grupos
Grupo de Dança Giro Livre – Santana do Livramento

O Giro Livre – Dança Inclusiva promove a integração através da dança em trabalho coordenado pela professora e coreógrafa Nereida Corrêa Lampert. A objetivo é, através da arte de dançar, contribuir para o desenvolvimento global de seus alunos, integrando-os à sociedade e procurando fazer deles cidadãos capazes de reconhecer e desempenhar seus papéis sociais.

Grupo Lado B da Rua – Santo Ângelo
Grupo ligado à ONG Parceiros do Bem, que atua nas áreas artísticas, dentre elas as danças urbanas, desenvolvidas em parceria com o Grupo de Danças Urbanas Lado B da Rua. Reúne cerca de 25 bailarinos, que se apresentam em mostras e festivais.

Royale Escola de Dança e Integração Social – Santa Maria
A Royale Escola de Dança e Integração Social é uma ONG que faz dança como agente do desenvolvimento das potencialidades e na inclusão social, cultural e educacional de crianças, adolescentes, jovens e suas famílias, moradores das periferias tendo o ballet como eixo de ação principal.

Cirandeira da Cultura Popular – Caxias do Sul
Projeto que proporciona vivências de percussão e dança das manifestações populares brasileiras, valorizando os diferentes saberes, trabalhando os movimentos do corpo como papel social, cultural e político, por meio das manifestações das danças afro-brasileiras e chegando a mais de 200 pessoas da comunidade e da rede escolar.

Rua em Cena – Pelotas
Desenvolve trabalhos a partir de técnicas e estéticas das Danças Urbanas buscando o diálogo com outras formas de arte, afirmando um pensamento contemporâneo de dança que parte de técnicas urbanas de expressão de movimento. Tem performances e apresentações destacadas em festivais do gênero.

FlashBlack Cia de Dança – Porto Alegre
Reúne jovens intérpretes de bairros de periferia que têm se destacado em projetos sociais, festivais e na Cia Jovem de Dança, da Secretaria Municipal de Cultura. Com seu primeiro trabalho em 2019, Nosso Corpo, mostrou pesquisa mesclando dança contemporânea, urbana, balé, jazz e danças afro-diásporicas.

MOOV.art
A MOOV.art é uma produtora de vídeo especializada em dança dirigida pelo realizador audiovisual Fernando Muniz, que é formado em Produção Audiovisual e Cinema, e também é bailarino, e já assinou produções como a série de videodança “5, 6, 7, OCTO!”, veiculada no extinto canal OCTO, do Grupo RBS, pelo qual recebeu o Destaque Imprensa do Prêmio Açorianos de Dança 2016. A produtora foca seu conhecimento técnico e expertise na produção de conteúdos audiovisuais que promovem diálogos com escolas, professores, bailarinos e coreógrafos, evidenciando suas criações e processos artísticos. Em 2018 recebeu o Prêmio Açorianos na categoria Novas Mídias pelo videodança “Um Olhar Através de”, realizado com a Transforma Cia de Dança, seguindo na produção de videodança, teasers e gravação de espetáculos de diversos grupos do Rio Grande do Sul. No segundo semestre de 2020, durante a pandemia do Coronavirus, começou um trabalho pioneiro com grupos e escolas de dança para a gravação de espetáculos em formato de videodança, produzindo diversos médias e longa metragens de dança.

Equipe técnica
Direção Geral: Fernando Muniz
Produção Executiva: Luka Ibarra
Direção de Fotografia: Marcus Vinícius Mesquita Godoy
Assistente de Fotografia: Sandro Barzi
Trilha Sonora Original: Driko Oliveira
Realização: MOOV.art

Este projeto foi contemplado no Edital de Concurso Produções Culturais – SEDAC –RS nº 09/2020 – Com recursos da Lei nº 14.017/2020

Link para inscrições na Oficina: http://bit.ly/workshopvideodancaRS

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo