DestaqueEducação

CIDADE. Protesto em SM contra retorno às aulas presenciais une as entidades ligadas à educação

Ato organizado pelo “Comitê em Defesa da Vida” foi em frente à Prefeitura

Ato organizado pelo Comitê em Defesa da Vida ocorreu nesta segunda-feira, em frente à Prefeitura (foto Cristina Haas/Divulgação)

Por Fritz R. Nunes / Da Assessoria de Imprensa da Seção Sindical dos Docentes da UFSM

Um protesto contra a imposição do retorno às aulas presenciais sem que ocorra vacinação contra a Covid-19 ocorreu na manhã desta segunda, 26, entre 10h e 12h, em frente ao prédio do Centro Administrativo da prefeitura de Santa Maria. O ato foi chamado pelo Comitê Popular em Defesa da Vida, do qual participam entidades tais como a Sedufsm, Sinprosm, Cpers, DCE/UFSM, dentre outras organizações sindicais, comunitárias, e do movimento social.

Juliana Moreira, do Sindicato dos Professores Municipais (Sinprosm), usou sua fala no carro de som para ressaltar que a posição da entidade não difere da expressada em fevereiro, que é de contrariedade ao retorno presencial das aulas. Juliana citou que a normalidade nas escolas gera uma série de efeitos, como por exemplo, a aglomeração em paradas de ônibus, transporte coletivo.

Citando dados do Observatório Covid-19 da UFSM, a sindicalista destacou que as novas variantes do coronavírus têm atingido de forma mais agressiva as crianças e jovens. Segundo os dados apurados por ela, houve, até o momento, 483 casos entre crianças de zero a nove anos e dois óbitos. E, entre jovens de 10 a 19 anos, mais de 1.300 casos e um óbito.

Falando pela Sedufsm, o professor Leonardo Botega afirmou que “não é hora de pensar em retorno, mas em saúde pública”. E acrescentou: “Por que não propor vacina para o trabalhador?”, questionou. Na visão do diretor da seção sindical, o que o prefeito de Santa Maria, Jorge Pozzobom (PSDB) deveria fazer é chamar as entidades, conversar, para tornar a cidade referência em “volta segura às aulas”.

Botega também sugeriu que, no município, ao invés de proporem viagem a regiões em que aplicaram o tratamento à Covid sem eficácia comprovada, que fossem a lugares em que estão ocorrendo experiências bem sucedidas tanto de isolamento social como de auxílio financeiro a quem precisa, citando o exemplo do estado do Maranhão.

Escolas precarizadas

Ao fazer sua intervenção, o representante do 2º Nucleo do Cpers Sindicato, Lúcio Ramos, enfatizou que no caso da rede pública estadual, o pensamento é de que escolas fechadas preservam vidas. Ramos argumentou ainda que nunca se posicionaram contra dar aulas, até porque nunca pararam de trabalhar, mesmo sem estar presencial na sala de aula. Contudo, ressalta o diretor do Cpers, “não temos condições de voltar sem que haja vacinação”.

Lúcio Ramos explicou que existem situações que não chegam ao conhecimento da população. Segundo ele, o governo estadual contratou uma empresa terceirizada tanto para fazer a limpeza das escolas quanto preparar a merenda, mas parou de pagar essa empresa que, assim, deixou de fazer o trabalho. Um outro aspecto, conforme Ramos, é a sobrecarga de trabalho, tendo em vista que existem muitos professores e funcionários afastados.

Quem também participava do ato era a professora estadual, atualmente exercendo o mandato de vereadora na Câmara, Helen Cabral (PT). Ela destacou que estamos no auge da pandemia, com mais de 500 mortos em Santa Maria, e mais de 22 mil em todo o Rio Grande. Para ela, em função das…”

PARA LER A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

2 Comentários

  1. Volta as aulas não tem nada a ver com os alunos, virou luta politica dos professores e dos sindicatos puxadinhos do PT. É o ultimo bastião do ‘fecha tudo’. Lá na frente aparecerão efeitos e, como sempre, culpados são os outros porque dá voto para os pastores desta manada.

  2. Tudo salario garantido pelas instituiçoes de ensino e pelo governo que por força de lei não pode demitir estes sindicalistas. Os enfermeiros e medicos que estiveram na linha de frente …cara a cara com o corona…não pararam de trabalhar exigindo vacina na epoca….para mim não querem trabalhar mesmo tendo acesso a vacina…ta bem bom assim não é mesmo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo