DestaqueUFSM

ECONOMIA. Empresas incubadas na UFSM deixam pra lá a pandemia e ampliam faturamento em 2020

Alojadas nas incubadoras da Universidade faturaram mais de R$ 5,5 milhões

Por Giovana Dutra / Da Assessoria de Imprensa da Agittec / Ilustrações de Camila Santarem

O relatório 2020 das incubadoras tecnológicas da UFSM – Incubadora Tecnológica de Santa Maria (ITSM) e Pulsar Incubadora – foi divulgado recentemente pela Coordenadoria de Empreendedorismo da Agência de Inovação e Transferência de Tecnologia (Agittec). O relatório traz uma análise dos números de faturamento, empregos gerados e impostos recolhidos pelas startups. Apesar do cenário de crise devido à pandemia de Covid-19, os números superaram os registrados no ano anterior.

O faturamento superior a R$ 5,5 milhões foi recorde, 40% maior do que o de 2019. O coordenador de Empreendedorismo, Silon Procath, explica que isso ocorreu porque as empresas se adaptaram muito rapidamente à nova realidade e conseguiram pivotar rapidamente, ou seja, inovaram em seus modelos de negócios de forma assertiva frente à nova realidade.

“Quando a pandemia começou, a maioria das startups incubadas estava bem estruturada e com produtos prontos. Assim, o aumento da demanda por serviços e produtos tecnológicos, a alta velocidade de criar soluções e de adaptação das startups e o fato de várias incubadas serem do agro – que continuou crescendo mesmo com a pandemia – colaboraram para esse resultado positivo”, conta.

O número de empresas residentes também foi recorde, 39 ao todo, sendo cinco spin-offs (derivadas de empresas já existentes). As agritechs e as foodtechs são a maioria e estão mais presentes nas incubadoras a cada ano. Silon Procath atribui esse aumento à geração de conhecimento da UFSM tanto na área das rurais, quanto engenharia e química, que são as áreas onde as startups da universidade têm se originado. “Outro fator é o desempenho do agro como um gerador de riqueza e empregos, o que o torna atrativo para os jovens que estão iniciando seus empreendimentos”, destaca o coordenador.

A empresa Mais Soja foi um dos destaques do ano e, apesar de ter algumas ações interrompidas em razão da pandemia, aproveitou para focar em seus cursos online. A startup tem um portal que reúne notícias e notas técnicas sobre os avanços tecnológicos da cultura da soja no Brasil e no mundo. O sócio-fundador Lucas Stefanello destaca que o agro foi um dos poucos setores que se manteve ativo. “É necessário, vivemos em um país agrícola; se o agro parar, a economia decresce ainda mais.”

Para seguir com o trabalho durante a pandemia, a Zeit focou em parcerias e no desenvolvimento de novas tecnologias. De uma parceria com a empresa Genesis Group nasceu a Nira, uma tecnologia portátil para a análise da qualidade de grãos em campo que ainda está em processo de validação. A nova tecnologia foi desenvolvida em cinco meses de trabalho em pesquisa e desenvolvimento (P&D) para que, em um futuro próximo, a startup possa contribuir para o crescimento e valorização da cadeia da soja.

Outro destaque foi a Auster, que oferece serviços em agricultura de precisão utilizando drones e sensoriamento remoto. O diretor comercial Eduardo Engel conta que 2020 foi um ano desafiador para a empresa, mas propiciou que a equipe fosse para o Centro-Oeste do Brasil, em busca de aprimorar o trabalho nas culturas de algodão e feijão.

“O processo de aceleração com a Agrihub Space (entidade ligada à Federação de Agricultura do Estado do Mato Grosso) nos deu acesso a produtores e empresas de lá para apresentarmos o nosso trabalho”, conta Engel. Para 2021, a Auster projeta um crescimento sete vezes maior do que o de 2020.

Os eventos da Coordenadoria de Empreendedorismo, que sempre reuniram um grande número de pessoas, apresentaram uma boa adaptação para o ambiente virtual e tiveram mais de 5 mil visualizações. Do ponto de vista tecnológico, a coordenadoria contou com o apoio da empresa incubada Syntesis, que auxiliou no uso de plataforma digital para realização dos eventos de forma remota. A adesão do público-alvo, que vê nas plataformas digitais um facilitador para participação de eventos, cursos e treinamentos, também foi apontada como fator determinante.

Silon Procath ressalta que os resultados positivos são fruto do trabalho em conjunto da equipe da Coordenadoria de Empreendedorismo e das startups, que conseguiram se adaptar rapidamente à nova realidade e superar metas. O coordenador acredita que a inovação tecnológica pode acelerar a recuperação econômica no pós-pandemia por ser uma geradora de oportunidades e novos negócios “as cidades que conseguirem estimular o empreendedorismo e os novos negócios tecnológicos no pós-pandemia levarão vantagem”, destaca.

Para baixar o relatório completo, clique AQUI.

PARA LER A ÍNTEGRA, NO ORIGINAL, CLIQUE AQUI.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. Faturar incubado não é complicado. Problema é quando sair do aquário. Quando sai do pesque pague e vai para o rio. Com subsidio é mais fácil
    Alás, dizem por ai que 80% das novas empresas quebram em dois anos. Pareto. Solução? Aquario por dois anos. Estatistica ‘consertada’.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo