DestaqueEconomia

FALSO DILEMA. “Não existe economia sem vida humana”, nem o oposto, afirma Marcio Pochmann

Economista, ex-presidente do IPEA, e uma análise da conjuntura na pandemia

Falta de uma política nacional gerou recessão maior e mais longa, afirma o economista Marcio Pochmann (foto Reprodução)

Por Rafael Balbueno / Da Assessoria de Imprensa da Seção Sindical dos Docentes da UFSM

Os índices que apontam para o caos econômico brasileiro são devastadores e não estão apenas nos noticiários ou nas análises econômicas. Pelo contrário. O drama econômico pode ser sentido no dia-a-dia, na ameaça do desemprego ou em salários que sustentam cada vez menos. E nesse cenário é comum ouvir que a pandemia é a responsável por essa tragédia. Mas será que essa questão é tão simples assim? Na nova edição do Ponto de Pauta, conversamos sobre a economia brasileira com o economista, pesquisador e escritor, ex-presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, o IPEA, e professor da Universidade Estadual de Campinas, a Unicamp, Márcio Pochmann. Na entrevista, Pochmann falou da situação brasileira a partir da chegada do novo Coronavírus, mas também para além disto…

Girando em falso

Para Pochmann, é importante dizer que a economia brasileira já não vinha bem e que, por consequência, as perspectivas para 2020 não eram boas mesmo sem uma pandemia. Aliás, segundo o professor, a pandemia acelera e intensifica um processo já em curso. “A pandemia, nesse sentido, aprofunda uma trajetória que já se vinha anteriormente, que é essa fase de decrescimento”, avalia. Essa fase está evidenciada nos índices de crescimento anteriores à crise sanitária, algo próximo de 1% ao ano, o que Pochmann define como um movimento “girando em falso”. Logo, esse cenário não poderia responder bem a um desafio da dimensão de uma pandemia. E aí entra também um outro elemento. Se o cenário já não era favorável, a incapacidade de gerir o encontro entre uma fase de decrescimento e uma crise sanitária, causou um impacto ainda maior. “Nos parece um país sem um projeto nacional, sem trabalhar nesse cenário novo, que exigiria de certa maneira uma outra perspectiva de organização do país. Prevalece a avaliação do atual governo de que não precisa fazer nada, ou seja, naturalmente voltaríamos ao normal pré-2020 e que as coisas ficariam bem”, conclui.

Nada será como antes

Segundo o professor da Unicamp, a urgência de um projeto nacional para lidar com a nova realidade é fundamental, entre outros motivos, pela alta probabilidade de que essa realidade veio para ficar. “Difícil acreditar que a educação, o trabalho, a saúde possam voltar a ser o que eram antes da pandemia”, aponta. Como um dos grandes exemplos dessas transformações, Pochmann cita a implementação de experimentos tecnológicos em todos esses campos. Uma implementação veloz e intensa. E nesse sentido, acrescenta o professor, a falta de um projeto nacional, que encare a atual situação, não apenas é responsável pelo número de mortes causadas pelo novo Coronavírus até aqui, como pode acabar por condenar também o futuro. “Por exemplo na Inglaterra, o berço do neoliberalismo, o governo, que é um governo neoliberal, acaba de aprovar a criação de um banco público na Inglaterra para financiar um novo ciclo de infraestrutura naquele país”, afirma o economista.

Salvar vidas Vs Salvar a economia

É quase impossível que alguém no Brasil, desde que a pandemia se instalou, não tenha topado com a discussão que coloca a ideia de “salvar vidas” contra a de “salvar a economia”. Para o ex-presidente do IPEA, essa é uma falsa polêmica.  “Não existe economia sem vida humana e não existe vida humana sem economia”, pontua Pochmann, para quem a desastrosa gestão do governo é responsável não apenas por perder vidas, mas também pelo caos econômico. “Então o custo não apenas de vida, mas o custo econômico está sendo gigantesco, porque não tem como voltar à normalidade enquanto a contaminação e mortes estiverem alastradas da forma que estão”. Outro preço enorme que estamos pagando, segundo o professor, é por não ter apostado na vacinação em massa. “O custo menor de tudo isso seria a vacinação em massa. Sem a vacinação e com a incapacidade de os governos atuarem sobre o isolamento, nos proporcionou não apenas uma recessão profunda, mas também mais prolongada em relação a outros países”, conclui…”

PARA LER A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. Clarin de hoje. Argentina recebeu até agora 28% das vacinas que comprou.
    Em 24 de março de 2020 a India anunciou um lockdown nacional de 21 dias. Reduziu a taxa de crescimento da doença. Em 14 de abril foi estendidos até 3 de maio com afrouxamentos em certas regiões a partir de 20 de abril. Em primeiro de maio o lockdown nacional foi extendido até 17 de maio. Em 17 de maio foi extendido até 31 de maio. Dali para frente afrouxou. PIB daquele pais caiu algo como 8%, o dobro de queda do Brasil. Ontem teve algo como 300 mil novos casos de Covid, numero não muito diferente de outros dias onde também teve centenas de milhares de novos casos.
    Argentina recebeu 28% das vacinas que comprou.
    Diploma de graduação, mestrado e doutorado em economia na Unicamp não serve de papel higiênico porque o papel é muito duro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo