DestaqueEstado

PODCAST. “Estação Confessionário” chega ao fim, com debate sobre os “Direitos Humanos na Prática”

Proposta é tratar temas relacionados à violência e desigualdade de gênero

O 9º programa da primeira temporada vai ao ar nesta quarta, às 7 da noite, na Estação Democracia, com Débora, Anita e Eleonora

Por Tatiana Py Dutra, da Padrinho Agência de Conteúdo (com imagem de Reprodução)

Chega ao fim, na quarta-feira (14), a primeira temporada de Estação Confessionário, programa de rádio/podcast conduzido pela atriz e diretora Deborah Finocchiaro na radioweb Estação Democracia. Expansão da websérie Confessionário – Relatos de Casa, a atração traz bate-papos com personalidades sobre temas relacionados à violência e desigualdade de gênero.

No programa de encerramento, “Os Direitos Humanos na Prática”, Deborah recebe a militante feminista e dos direitos humanos Anita Kieling, e a atriz e poeta Eleonora Prado, que esteve no elenco da primeira temporada da websérie. Juntas, elas vão recapitular importantes projetos e políticas públicas para o enfrentamento da violência doméstica – muitos hoje abandonados.

“Infelizmente, já tivemos políticas mais bem implementadas nos governos anteriores, o que demonstra mais uma das crueldades do governo atual e o descaso por esta grave questão de saúde pública”, afirma Eleonora.
Para a atriz, os temas debatidos pela websérie e pelo Estação Confessionário merecem chegar nas salas de aula do Ensino Médio. Isso faria com que o machismo fosse melhor percebido pelos estudantes “que, muitas vezes, testemunham e sofrem calados essa violência dentro do próprio lar”.
“Redefinir esses novos paradigmas é essencial para a formação desses jovens. Além do mais, se fortalece a percepção de que isso é uma ameaça à integridade física e emocional da mulher e que temos o direito de denunciar, procurar auxílio na lei e nos mecanismos para impedir que essa agressão continue”, sustenta.

Por dentro da história

Ex-vereadora em Alvorada (RS), Anita Kieling é memória viva de parte de projetos em defesa da mulher desenvolvidos no Rio Grande do Sul. No governo Tarso Genro (2011-2015), ela foi criadora e coordenadora do Comitê Gestor de Políticas de Gênero da Secretaria de Políticas para as Mulheres. O órgão trabalhava em articulação com Ministério Público, Judiciário e com as demais secretarias de Estado para elaborar ações e projetos de combate à violência.

Esse trabalho a levou a liderar a Rede de Atendimento e Enfrentamento à Violência Contra as Mulheres da Secretaria de Segurança Pública do Estado. Nesse caso, houve ampla participação de Brigada Militar, Polícia Civil, IGP e Susepe. E foi nesse período que instrumentos importantes como a Patrulha Maria da Penha, a Sala Lilás e o projeto Metendo a Colher saíram do papel. Antes, lembra Anita, os municípios gaúchos contavam apenas com Delegacias da Mulher.

“Conseguimos colocar o tema em todos os lugares, discutindo e criando ações nesses espaços. O governo federal, na época de Lula e Dilma, também tinha essas estruturas e recursos. Fizemos projetos como a reestruturação do Centro de Referência Estadual Vânia Araújo, buscamos construir e/ou reconstruir serviços, formando as/os servidores, criando espaços físicos, equipamentos, viaturas… E colocamos essas estruturas e serviços em rede”, conta.

Anita constata, com tristeza, que na atualidade os direitos da mulher deixaram de ser prioridade nas três esferas de poder. A Secretaria de Políticas para as Mulheres não existe mais no Estado, tendo sido convertida em setor dentro da Secretaria de Assistência Social. No âmbito federal, foi incorporada ao Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, perdendo recursos e, principalmente, o foco.

“O que acho mais triste é que a questão do enfrentamento à violência contra as mulheres saiu da pauta. Não é mais prioridade dos governos. E para fazê-la acontecer, você não precisa de um orçamento específico. Mas tem de ter um espaço onde se vá coordenar, implantar e discutir políticas públicas. Com o recurso de cada secretaria ou prefeitura é possível trabalhar muito bem”, lamenta. 

ESTAÇÃO CONFESSIONÁRIO
“Os Direitos Humanos na Prática” 
Quando:
Quarta, 14 de abril, às 19h. Reprise no sábado, 15h
Onde: Radioweb Estação Democracia www.estacaodemocracia.com ou no app). Ouça também no Spotify Confessionário Relatos de Casa (https://sptfy.com/dv7F), Apple Music e Google Podcast
Convidadas: Anita Kieling e Eleonora Prado 

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo