Artigos

Imprensa mundial está atenta às manifestações do Dia da Independência do Brasil – por Carlos Wagner

Bolsonaro vai tentar “passar o rodo”, escreve o articulista. Mas o resultado…

A liberdade de imprensa é a primeira linha de defesa da democracia contra os autoritários (Foto Reprodução)

O repórter que faz a cobertura do dia a dia nas redações vive uma busca permanente por uma palavra que resuma toda uma situação longa e complexa para tornar a sua notícia simples e exata para o leitor. Nunca foi uma tarefa fácil. Muito menos nos dias atuais, quando as novas tecnologias exigem de nós que a informação seja transmitida em duas linhas de texto. Exagero meu, é claro. São, no máximo, quatro linhas.

Há colegas que já nasceram com o dom de resumir os acontecimentos complexos em uma ou duas palavras. Eu não nasci com esse dom. Precisei ralar para aprender. Escrevi essa historinha para entrar devagar e com cuidado na conversa com os colegas e os leitores sobre o que vamos testemunhar na terça-feira, Dia da Independência do Brasil. Vamos enfileirar os fatos.

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), vai tentar “passar o rodo”. No Dia da Independência, os seus seguidores programaram grandes manifestações populares nas cidades brasileiras nas quais exigirão mudanças nas regras da disputa eleitoral em 2022, como a volta do voto em papel, e a cassação de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Tática semelhante já foi tentada duas vezes.

Em 1961, sete meses depois de tomar posse, o presidente Jânio Quadros (44 anos na época) renunciou a seu mandato e escreveu uma carta explicando os seus motivos aos brasileiros. O texto na íntegra está disponível na internet.

Aqui, um trecho: “Desejei um Brasil para os brasileiros, afrontando, nesse sonho, a corrupção, a mentira e a covardia que subordinam os interesses gerais aos apetites e às ambições de grupos ou de indivíduos, inclusive no exterior. Sinto-me, porém, esmagado. Forças terríveis levantam-se contra mim”.

A investigação dos historiadores sobre o episódio mostrou a verdade. Jânio apostou que o povo se mobilizaria e o traria de volta ao cargo com o poder fechar o Congresso. O povo não trouxe Jânio de volta. E a imprensa assim resumiu a renúncia: “As forças ocultas de Jânio”.

A renúncia criou a oportunidade para as Forças Armadas articularem o golpe militar que aconteceu em 1964 e durou até 1985. Três décadas e um ano se passaram. Em 1992, o presidente Fernando Collor de Mello (43 anos na época) convocou o povo para ir às ruas vestindo verde e amarelo com objetivo de desencorajar os parlamentares do Congresso que articulavam uma CPI para investigar a corrupção no governo.

O apelo ao patriotismo feito por Collor não funcionou. A maioria da população que foi para a rua vestia preto. Ele sofreu uma ação de impeachment e o seu vice, Itamar Franco, assumiu e fez um bom governo, conseguindo acabar com a hiperinflação.

Há textos circulando nas redes sociais em que bolsonaristas tentam juntar as “forças ocultas” de Jânio com o “verde-amarelo” de Collor para mobilizar a população a ir às ruas para apoiá-los no Dia da Independência. Se não deu certo para Jânio e Collor, por que daria para Bolsonaro?

O que vou escrever não é opinião. São fatos que documentamos em nossas reportagens. Independentemente do número de pessoas que os bolsonaristas conseguirem colocar nas ruas e dos rolos que os manifestantes armarem, como tentativas de invasão a prédios públicos, a exemplo do que aconteceu nos Estados Unidos no Capitólio (Congresso) – matérias na internet -, o negacionismo de Bolsonaro em relação ao poder de contágio e letalidade da Covid-19 é responsável por uma grande parte dos 580 mil brasileiros mortos pelo vírus e de cenas que jamais serão esquecidas pela população, como pessoas morrendo asfixiadas por falta de oxigênio hospitalar em Manaus (AM) e no interior do Pará.

Como se estivessem assistindo a uma novela de sucesso na TV, semanalmente centenas de brasileiros se reúnem para acompanhar as sessões da Comissão Parlamentar de Inquérito da Covid-19 do Senado, a CPI da Covid, que vem mostrando a responsabilidade do governo com as mortes. Pelo menos 300 mil pessoas poderiam ter uma chance de sobreviver se Bolsonaro tivesse feito a coisa certa.

A CPI está mostrando que a política do governo em relação à pandemia é genocida. E ambientalistas, consumidores dos produtos brasileiros no exterior e governos como o dos Estados Unidos afirmam que a política ambiental de Bolsonaro é genocida em relação à Floresta Amazônica e aos povos indígenas que lá vivem.

O destino de Jânio e Collor despertou o interesse dos vizinhos do Brasil, no máximo dos Estados Unidos. O que vai acontecer nas ruas do Brasil no Dia da Independência será observado e analisado por estudiosos, investidores, consumidores e cientistas ao redor do mundo porque envolve a pandemia da Covid-19 e a Floresta Amazônica.

Não é por outro motivo que os grandes empresários nacionais, incluindo o agronegócio, indústrias e bancos estão atentos aos acontecimentos. Pelo que escrevemos, o destino do governo Bolsonaro foi traçado no momento que optou pelo negacionismo em relação à pandemia e à destruição da Floresta Amazônica.

No futuro, quando alguém for escrever a história desse período do Brasil, vai se sentir tentado a resumir o governo do presidente Bolsonaro em uma palavra: “genocida”. Duvidam? Em nenhum outro período da história do Brasil um vírus matou 580 mil pessoas e tantos hectares da Mata Amazônica foram destruídos pelo fogo e o garimpo ilegal.

PARA LER A ÍNTEGRA, NO ORIGINAL, CLIQUE AQUI.

(*) O texto acima, reproduzido com autorização do autor, foi publicado originalmente no blog “Histórias Mal Contadas”, do jornalista Carlos Wagner.

SOBRE O AUTOR:  Carlos Wagner é repórter, graduado em Comunicação Social – habilitação em Jornalismo, pela UFRGS. Trabalhou como repórter investigativo no jornal Zero Hora de 1983 a 2014. Recebeu 38 prêmios de Jornalismo, entre eles, sete Prêmios Esso regionais. Tem 17 livros publicados, como “País Bandido”. Aos 67 anos, foi homenageado no 12º encontro da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (ABRAJI), em 2017, SP.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. Mais do que óbvio que não. Imprensa tradicional usa um truquezinho barato, passar a ideia de que o Brasil é o umbigo do mundo. Replica-se para o nivel local, aqui a aldeia é o umbigo do mundo. Para quem não notou aconteceu mais um golpe de estado na Africa, Guíné. Guerra civil na Etiópia, Tigray, falam em genocidio. Haiti está na m. novamente. O que leva a outro truquezinho barato da midia ‘imprensa internacional mimimi’. Esquecem que atualmente é possivel ver o que publicam lá fora, não é mais como antigamente. Nota de rodapé não é destaque.
    Democracia é o unico sistema de governo que permite a defesa da queda do proprio regime. Teoria abandonada no Brasil. No Reino Unido existe um movimento anti-monarquista. Na Espanha idem. Movimentos de esquerda bem claro. Vide o programa do PSOL por exemplo, socialismo com ‘democracia’ e fim do capitalismo, incompativel com a CF88. Estatuto do PT ‘lutar por democracia, pluralidade, solidariedade, transformações políticas, sociais, institucionais, econômicas, jurídicas e culturais,’ ‘com o objetivo de construir o socialismo democrático’. Abertamente contra a CF88. Só enganam os muito trouxas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo