DestaqueSanta Maria

KISS. Indignação de familiar de vítima. Advogado de réu o convoca para testemunhar em defesa dele

Situação provocou até problemas de saúde no pai de Andrielle. Ele desabafa

Conviver com a possibilidade de precisar defender um dos réus causou problemas de saúde a Flavio Silva (foto Reprodução)

Por Tatiana Py Dutra / Da Padrinho Agência de Conteúdo

Durante meses, o pai de uma jovem morta no incêndio da boate Kiss, conviveu com uma angústia: ter de testemunhar na defesa de um dos acusados de serem os causadores da tragédia. No caso, o dono da boate, Elissandro Spohr.

O episódio ocorreu com Flavio Silva. Há alguns meses, ele descobriu que o advogado Jader Marques o havia colocado no rol de quem falaria em juízo para tentar inocentar seu cliente.

“Veja bem, um dos maiores responsáveis pelo assassinato da minha filha… O defensor dele me arrolou para ser testemunha de defesa. Até hoje não consigo entender essa atitude de desumanidade. Na verdade, é uma atitude de crueldade”, repudia Flavio.

Pai de Andrielle Righi da Silva, morta na tragédia aos 22 anos, Flavio desabafou inicialmente com o amigo e diretor de cinema Luiz Alberto Cassol. Eles se aproximaram quando Cassol co-dirigiu o documentário “Janeiro 27”, que relata a tragédia, com entrevistas com mães, pais e sobreviventes. Tornaram-se confidentes desde então.

A possibilidade de servir como defesa de um dos réus constrangeu Flavio profundamente. Durante meses, ele não soube como contar para a mulher e a filha, nem mesmo para os membros da Associação dos Familiares de Vítimas e Sobreviventes da Tragédia de Santa Maria (AVTSM), da qual é presidente.

A angústia e o estresse consumiram sua saúde. Neste mês, Flavio teve uma isquemia cardiovascular e precisou passar por cateterismo.

“Isso foi um choque para mim porque eu não entendia. Eu, que não estava na boate na noite que aconteceu a tragédia, nem nas proximidades, fui arrolado por esse advogado para testemunhar para o réu que matou a minha filha”, desabafa.

A menos de um mês do julgamento, novamente sem qualquer explicação, o nome de Flavio deixou de constar do rol de testemunhas. Ele não sabe a razão, mas não deixa de se indignar pelos danos irreversíveis causados pela frieza da defesa.

Contornados os problemas de saúde mais emergenciais, mas ainda debilitado, sentiu-se seguro para detalhar o episódio e pediu que Cassol fizesse o registro para levar à sociedade o que considera cruel.

“Até que ponto um advogado [pode ir] para salvar a pele do cliente, sem levar em consideração se o pai ou mãe está sofrendo ou não a dor da perda do filho?”, questiona.

 “Ser usado como argumento de algum defensor dos réus para tentar, de alguma forma, desvirtuar o pensamento da sociedade e confundir, num ato tão baixo, imoral e desumano, é cruel demais. Acho que a sociedade merecia saber desse relato”, justifica Flavio, emocionado, no vídeo que resolveu fazer com o depoimento ao diretor e amigo, e que está disponível nas redes sociais da AVTSM.

Os sócios da Kiss, Elissandro Callegaro Spohr e Mauro Londero Hoffmann, o músico Marcelo de Jesus dos Santos e o produtor de palco Luciano Bonilha Leão respondem por 242 homicídios simples e 636 tentativas de homicídios, ocorridos na boate Kiss, em 27 de janeiro de 2013. O julgamento começa no dia 1º de dezembro, no Fórum Central de Porto Alegre.

Para assistir ao video, clique abaixo:

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. Mesmo que o nosso generoso código penal(muito simpático aos criminosos) permita um movimento desses, o respeito, a ética e a humanidade foram pisoteados. Não bastasse a ausência de muita gente no banco dos réus, faltou um mínimo de bom senso ao defensor do réu. Como é que o pai de uma vítima vai testemunhar a favor de um dos responsáveis pela morte de sua filha? Como assim? Coisas assim afastam qualquer certeza que a justiça vá ser feita. Sempre pode aparecer um atalho jurídico a favorecer o(s) assassino(s). Oremos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo