Artigos

Quem são os militares e magistrados que fazem a cabeça do Bolsonaro e o Moro? – por Carlos Wagner

Eles “estão nessa por sua conta é risco e exercendo um direito constitucional”

Quais as surpresas que vem por aí, na disputa entre o presidente Jair Bolsonaro e o ex-ministro Sérgio Moro? (Foto Reprodução)

Creio ser a primeira vez  desde da democratização do Brasil, em 1985,  que vamos ter entre as chapas que concorrem à presidência da República duas com a forte presença de militares e magistrados e trabalhando  pelos  seus candidatos.  Os militares estão abrigados na candidatura a reeleição do presidente da República  Jair Bolsonaro  (PL) e os magistrados e outros egressos do Poder Judiciários  estão na chapa do ex-juiz federal Sergio Moro (Podemos).   

Os generais do Bolsonaro, como são conhecidos os 6 mil militares de várias patentes que estão incrustados na administração federal. Tem uns poucos ativa, mas  grande maioria são da reserva ou reformados.  Do lado do Moro estão os  lavajatistas como ficaram conhecidos em  várias instâncias da Justiça aqueles defendem  os excessos que foram praticados pela Operação Lava Jato. 

A constituição garante o direito dos dois lados de estarem na disputa política, respeitada a legislação que regulamenta o assunto. Portanto  não vou discutir esse assunto.  A intenção é refletir com os meus colegas repórteres, principalmente os jovens que estão na correria do dia a dia nas redações fazendo três  ou quatro pautas, a necessidade de identificarmos e explicarmos aos nossos leitores que são essas pessoas que estão nos bastidores das duas candidaturas e quais as suas intenção.  Por quê?

A resposta para a pergunta é simples. Muito embora na mente da maioria das pessoas um militar representa as Forças Armadas e o um ex- juiz, desembargador, ministro, procurador da República representem o Poder Judiciário. 

Não é verdade.  Estão nessa por sua conta e risco e exercendo um direito constitucional.  Mais ainda não estão envolvidos com as candidaturas do Bolsonaro e do Moro por  ideologia ou qualquer outro motivo  de ordem política.  Estão nessa pelos cargos, os  salários gordos,  as mordomias  e o  prestígio.   

Cito aqui um exemplo. O atual presidente da República assinou uma portaria que permitiu os ganhos dos militares que estão no seu governo furar o teto da remuneração dos funcionários públicos federais. Por exemplo, no caso de um general da reserva, antes da portaria o ele ganhava de soldo somando aos salário do cargo ocupado no governo não podiam passar do teto, ao redor R$ 39 mil. Graças à portaria, hoje o ministro da Casa Civil, general  da reserva  Braga Netto, ganha R$ 106 mil.   

As bandeiras políticas que esse dois grupos defendem precisam ser melhor esclarecidas para o nosso leitor. Os generais do Bolsonaro defendem que precisam manter  longe do poder no país os comunistas e outros esquerdistas.  Ser comunista ou seguir qualquer outra orientação de esquerda não é crime. Mas um direito assegurado pela constituição.  

Os lavajatistas defendem a bandeira da luta contra a corrupção.  Eles não inventaram a luta contra a  corrupção.  Ela nasceu entre os preços políticos nos porões da ditadura militar que governo o país de 1964 a 1985.  E a liberdade de imprensa é o instrumento que a sociedade usa para denunciar os corruptos.

Dito isso. Vamos em frente na nossa conversa. Os lavajistas são novatos na história de ter um candidato na disputa pela presidência da República. Os militares são veteranos nessa história.  Em 1964 deram um golpe de Estado e ficaram no poder até 1985. Eles apostaram no Bolsonaro com a ideia que poderia governar nas sombras. Mas tomaram o bonde errado porque o presidente tem as suas próprias ideias  e não ouve ninguém.  

Entre todos os generais que gravitam ao redor do Bolsonaro o mais habilidoso é o Braga Netto.  E todas as articulações que acontecerem envolvendo os interesses dos 6 mil militares no governo deverão passar por ele.  No lado do Moro a pessoa mais influente é o ex-procurador  da República  Deltan Dallagnol, que foi coordenador da Lava Jato.

Durante a Lava Jato, como denunciou o site The Intercept Brasil, Dallagnol era o braço direito do ex-juiz  na organização  dos atropelos a legislação na condução dos processos – há matérias na internet.  Aqui tem o seguinte.  Uma das regras não escritas do jornalismo investigativo no ensina  que as pessoas importantes vivem nas sombras.  Dificilmente os seus nomes são mencionados pelos noticiários. 

O que nós jornalistas  sabemos sobre as pessoas que gravitam ao redor do ex-juiz?  Pouco coisa ou nada.  O que temos de concreto é que ele irá depender da grande  imprensa para manter-se na vitrine na tentativa de consolidar-se como candidato da terceira via – uma opção entre o Bolsonaro e o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT – SP), que é vendida pela imprensa aos leitores. 

Hoje ele disputa o espaço nobre nos grandes noticiários com o Bolsonaro.  A vantagem dele é que existem nas redações os chamados de “viúvas do Moro”, um grupo de jornalistas que acredita nas mentiras que ele contou para justificar o atropelou  na conduções dos processos –  há matéria na internet.

Por outro lado, Bolsonaro tem no seu apoio um rede de televisão, rádios e jornais que vendem a versão do governo para a população como se fosse a única verdade.  Faz parte do jogo porque fazem isso abertamente.  O mais mortífero do lado do presidente da República é uma bem equipada, paga e eficiente maquina de distribuir fake news. 

Aqui é o seguinte. Na disputa eleitoral de 2022 para presidente da República em pé de igualdade de importância com  o dinheiro para custear as despesas é a produção de ideias para municiar os noticiários, as redes sociais e a máquina de fake news. 

Para arrematar a nossa conversa.  O Brasil nunca esteve uma situação com a de hoje. Uma enorme crise econômica, desemprego, 600 mil mortos na pandemia causada pela Covid – 19, inflação, destruição acelerada da Floresta Amazônica e outros rolos. Dentro dessa situação se alguém riscar um fósforo pode explodir tudo. 

Daí a importância de conhecermos os atores que estão nas sombras da disputa política. Devido a tudo que descrevi, a cobertura dessas eleições será diferencia das outras.  Se nada mudar, pelas informações que temos hoje, na  primeira quinzena de dezembro, o segundo turno das eleições deverá ser disputado pelo Lula e o  Bolsonaro, que vem perdendo votos para o Moro, que foi seu ministro da Justiça e Segurança Pública.

PARA LER A ÍNTEGRA, NO ORIGINAL, CLIQUE AQUI.

(*) O texto acima, reproduzido com autorização do autor, foi publicado originalmente no blog “Histórias Mal Contadas”, do jornalista Carlos Wagner.

SOBRE O AUTOR:  Carlos Wagner é repórter, graduado em Comunicação Social – habilitação em Jornalismo, pela UFRGS. Trabalhou como repórter investigativo no jornal Zero Hora de 1983 a 2014. Recebeu 38 prêmios de Jornalismo, entre eles, sete Prêmios Esso regionais. Tem 17 livros publicados, como “País Bandido”. Aos 67 anos, foi homenageado no 12º encontro da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (ABRAJI), em 2017, SP.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

2 Comentários

  1. Militares utilizando Cavalão como marionete, teoria da conspiração. Braga Netto, o da meia verdade, o mais habilidoso? Com base em quê? Conhecimento profundo dos bastidores? Matérias na internet não tornam um fato veridico, vide salário do general. Atropelos na legislação? Decisões do juiz passaram por desembargadores no TRF4 e ministros do STJ. Eis o truque, mais uma omissão. Melou-se tudo onde? STF. Isto e mais o salario inflado não são Fake News? Alás, quando o maior corrupto é um ícone de esquerda, ser contra a corrupção é defeito de caráter. A desculpa é ‘tudo pela causa’. Risivel. Ano que vem é ano que vem.

  2. Um militar representando as FFAA e um juiz representar o judiciário, concepção da maioria? Afirmação sem base nenhuma. Portaria de fato existe, detalhe é que se existem dois cargos o teto é aplicado isoladamente para os dois. Ora, de onde sai a diferença? Simples, os 100 mil são relativos ao mes de junho. Remunerações eventuais, gratificação natalina, retroativos gerados pela portaria, Detalhes convenientemente omitidos. Por isto não se confia em jornalistas. ‘Noticia’ é ferramenta para um determinado objetivo, ‘informação’ é coisa da Globo. Trouxa é quem não verifica o que é publicado. Esquerda vive de mentiras, meias verdades, teorias da conspiração e coisas do genero. Nenhum espanto.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo