DestaqueEducação

TRABALHO. Governo Bolsonaro bate recorde de aposentadorias de servidores. Na UFSM foram 418

Em três anos e meio, 125 docentes e 293 técnicos deixaram a instituição

Aposentadorias durante o período Jair Bolsonaro ficam apenas atrás das registradas durante o governo FHC (Foto Agência Brasil)

Por Bruna Homrich (com informações do Portal Metrópoles) / Da Assessoria de Imprensa da Sedufsm

Levantamento realizado pelo Portal Metrópoles aponta que, entre os anos de 2019 e 2021, 62,7 mil funcionários(as) da União se aposentaram. A pesquisa foi realizada tendo por base dados do Painel de Estatística de Pessoal (PEP), plataforma do Ministério da Economia.

Segundo o mapeamento, nos três primeiros anos do governo de Jair Bolsonaro (2019-2021), o número de aposentadorias de servidoras e servidores públicos superou o registrado durante o mesmo período dos mandatos de Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2005, 30,6 mil servidores/as aposentados/as) e de Dilma Rousseff (2011-2013, 48,3 mil aposentadorias).

As mais de 60 mil aposentadorias durante a gestão bolsonarista só ficam atrás das(os) 87,7 mil servidoras(es) aposentadas(os) nos três primeiros anos (1995-1997) do governo de Fernando Henrique Cardoso (FHC).

Números da UFSM

Conforme dados fornecidos pela Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas (Progep) à Assessoria de Imprensa da Sedufsm, entre 1º de janeiro de 2019 e 13 de junho de 2022, 418 servidoras e servidores da UFSM se aposentaram. Destes, 117 são professores(as) do Ensino Superior, 8 são professores(as) do Magistério do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico, e 293 são técnico-administrativos em educação. 

Reformas e precarização

Algumas das explicações creditadas a essa alta nos pedidos de aposentadorias dizem respeito, primeiramente, às reformas que mexem na previdência social e na administração pública. No período FHC, por exemplo, ocorreu a Reforma Administrativa. E, no período Bolsonaro, a Reforma da Previdência.

Para o secretário-geral da Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef), Sérgio Ronaldo, a precarização do serviço público também tem impulsionado os pedidos de aposentadoria de servidores e as servidoras.

“O que acontece é que o serviço público, com essa política de arrocho e retirada de direitos, deixou de ser atrativo. Tudo isso faz com que o funcionalismo vá para casa”, pondera.

Ainda segundo o sindicalista, a cada 100 servidores e servidoras que deixaram os quadros da União, somente 32 foram repostos(as). Hoje, a União mantém 573 mil servidores(as) ativos.

“Se já está ruim, pouco a pouco a prestação de serviço vai entrar em catástrofe. Cada vez mais o serviço ficará precarizado para a população”, critica…”

PARA LER NO ORIGINAL, CLIQUE AQUI.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. Cascata, todos que se aposentaram tinham preenchido os requisitos para tanto. Obvio. Pior que, dentre os aposentados, alguns até trabalhavam. Efeagá também mexeu na previdencia, tanto que, se lembro bem, Luiz Celso Giacomini era diretor do CEFD e quase chorou dando entrevista porque 9 (algo como isto) professores da pós-graduação se aposentaram. Todos doutores. Doutorado em educação fisica era um dos melhores do pais e acabou fechando as portas. Resumo da opera: Cavalão já tem defeitos que chegue, não precisa ficar inventando. E dizer que Molusco com L., o honesto, e Dilma, a humilde e capaz, tiveram ‘governos melhores’ porque se aposentaram menos pessoas é, no minimo, patético. Se os docentes universitarios daqui são assim, imagine na Jamaica como diria o Casseta e Planeta.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo