DestaqueEducaçãoRegião

UFSM. Em operação já há dois meses, cursos do Progredir impactam mais de 2 mil na Quarta Colônia

Para o próximo semestre, inscrições para novas modalidades de capacitação

Uma aula teórica do Progredir Geoparque Quarta Colônia ministrada no município de Silveira Martins (Foto Divulgação)

Por Claudine Friedrich / Tutora de comunicação do Progredir

Lançado em abril, o Progredir Geoparque Quarta Colônia Aspirante Unesco coordena a execução de cursos com temáticas sobre cultura e turismo na região central do estado. Na primeira etapa, foram ofertadas 21 formações, e 603 alunos em situação de vulnerabilidade social tiveram a oportunidade de aprender com professores da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Apenas nestes dois meses, mais de 2 mil pessoas já foram impactadas – direta ou indiretamente – pelas atividades executadas pelo Programa. Neste segundo semestre, serão abertas inscrições para novos cursos oferecidos aos nove municípios que compõem o Geoparque. A iniciativa contribui para o desenvolvimento socioeconômico da região e ajuda a viabilizar a certificação do território pela Unesco. 

Financiado pelo Governo Federal, o Progredir visa à qualificação profissional, prioritariamente, de mulheres entre 18 e 29 anos inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais (CadÚnico).

Não sendo preenchidas todas as vagas com esse público-alvo, podem participar os demais interessados, desde que tenham Número de Identificação Social (NIS). Entre os diferenciais, está a disponibilidade de cuidadoras, que assistem os filhos enquanto pais e mães estudam, a oferta de lanches durante as aulas e kit de material didático aos alunos, além de apoio de estudantes de pós-graduação da UFSM que atuam como tutores de educação e comunicação. 

Vinculado ao Ministério da Cidadania e executado pela Pró-reitoria de Extensão da UFSM com apoio do Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento Sustentável da Quarta Colônia (Condesus), o Progredir tem previsão de ser operacionalizado pelos próximos dois anos, com aplicação financeira de R$1,08 milhão.

Além disso, cada um dos municípios – Agudo, Dona Francisca, Faxinal do Soturno, Ivorá, Nova Palma, Restinga Sêca, São João do Polêsine e Silveira Martins – contribui com transporte e equipes dos Centros de Referência em Assistência Social (Cras), que organizam as inscrições de alunos e insumos para as aulas. Para os dois anos previstos de execução do Programa, a meta é capacitar 2,5 mil alunos na Quarta Colônia. 

Alunas da Oficina de Geleias e Conservas e suas produções expostas na cozinha do Salão Paroquial de Dona Francisca (Foto Divulgação)

Temática dos cursos abrange desde culinária e paisagismo até paleontologia 

Teresinha Aparecida Lopes Pain é agricultora em Restinga Sêca e aluna do curso de Paisagismo Rural, ministrado pelo professor do Colégio Politécnico da UFSM, Marcelo Antonio Rodrigues. Empolgada com as aulas teóricas e práticas, ela conta que pretende utilizar os conhecimentos adquiridos para replicá-los na Comunidade Remanescente de Quilombo Rincão dos Martimianos, onde vive com mais cerca de 150 pessoas.

“Está sendo muito rico. Coisas que a gente não sabia, a gente está aprendendo a fazer da forma certa. E a gente vai passar para a comunidade e vamos poder fazer um jardim muito bonito, como um apoio para trabalhar.”, relata.

Em comparação com outros cursos ofertados na região, a secretária de Assistência Social e Habitação de Dona Francisca, Carine Bressa Fantinel, avalia que, nos do Progredir, a parte técnica é mais aprofundada: “fica bem mais explicado, tem mais tempo, é mais especializado, em questão de aprendizagem, desenvolvimento e qualidade de curso, certamente os do Progredir têm uma ênfase muito maior”.

Quando questionada sobre os impactos no município, Carine responde: “nas conversas que eu tive com as participantes, senti uma alegria grande porque elas aprenderam coisas diferentes que nós não tínhamos conhecimento. Elas tinham uma bagagem muito básica, que aprenderam com a mãe, com a avó, e com este aprendizado mais profissionalizado, já estão falando em fazer para comercializar, em ter uma sócia, montar um negócio e ter um dinheiro extra”. Em Dona Francisca, foram ofertadas até agora duas oficinas, de 50 horas/aula cada: uma de produção de massas e cucas e outra de geleias e conservas vegetais.

De acordo com a técnica em assuntos educacionais da UFSM Angelita Zimmermann, as propostas de cursos foram definidas com suporte do Cras de cada município, que conhece de perto a realidade da cidade e do público-alvo. “As propostas deram atenção às temáticas relativas às questões de sustentabilidade, cuidado com o ambiente e a natureza, reconhecimento das singularidades culturais e patrimoniais, potenciais geológicos e geomorfológicos do território, estabelecendo estratégias para o desenvolvimento socioambiental e econômico”, detalha.

Para ministrar as formações, foi exigido que os instrutores fossem servidores ou estudantes de pós-graduação da UFSM, que recebem uma bolsa de extensão para realizar as atividades…” 

PARA LER A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo