Artigos

Uma pequena e breve listagem de autoria feminina brasileira – por Elen Biguelini

Elas são autoras que publicaram durante o Século XIX até início do Século XX

Como o tema de muitos de nossos textos são a autoria feminina, resolvemos apresentar aqui uma listagem destas senhoras. São autoras que publicaram durante o século XIX ou no início do século XX e que por vezes foram esquecidas pela história da literatura. Esta listagem foi fruto de uma pesquisa inicial realizada para nossa pesquisa de doutorado e, assim, não engloba a totalidade de autoras brasileiras, mas é um ponto interessante para conhecer estes nomes esquecidos.

Prisciliana Duarte de Almeida (1867-1944) . Poetisa de Pouso Alegre, MG, publicou diversas obras e fundou o periódico “A mensageira”, em São Paulo. Este periódico existiu entre 1897 e 1899.

Adelaide de Castro Alves Guimarães (1854-1940). Poetisa baiana.

Nísia Floresta Brasileira Augusta (1810-1885). Pseudónimo de Dionísia Gonçalves Pinto. Autora de diversas obras, mais conhecida por sua obra feminista. Foi professora e adaptou ou traduziu a obra de Mary Woolstonecraft para o contexto brasileiro.

Ana Teófila Filgueiras Autran (1856-1933). Baiana que escreveu no “Diário da Bahia”.

Josefina Alvares de Azevedo (1851-1913). Poetisa, jornalista e precursora do feminismo paraibano, criadora do periódico “A família”.

Emilia Bandeira de Melo (1852-1910). Contista paulista que assinava como Carmem Dolores. Escreveu, entre outros, “Lendas Brasileiras”.

Ana Eurídice Eufrosina de Barandas (1806-1863). Autora do “Ramalhete de Flores”.

Anna Barbosa de Lossio e Seiblitz (?-?). Escreveu textos religiosos e patrióticos durante  a Guerra do Paraguai.

Rita Barém de Melo (1840-1868). Poetisa gaúcha que assinou como Juriti.

Maria Josefa Barreto (1775-1813). De nome completo Maria Josefa de Fontoura Pereira Pinto. Poetisa gaúcha.

Theofilla C. Tavares Bastos (?-?). Professora que escreveu livros didáticos.

Estephania Berthon (?-?) Parteira que escreveu sobre saúde feminina.

Maria Bezerra (?-?). Poetisa pernambucana.

Maria Benedita Bormann (1835-1895). Romancista gaúcha que assinava como Délia e tem vasta obra.

Beatriz Francisca de Assis Brandão (1779-1860). Poetisa e tradutora mineira.

D. Anna Euqueria Lopes Cadaval (?-?). Tradutora gaúcha.

Narcisa Amalia de Campos (1852 ou 1858-1924). Poetisa paulista que recebeu o Prémio Olavo Bilac da Academia Brasileira de Letras no ano de 1951.

Honorata Minelvina Carneiro (?-?). Poetisa goiana.

Eugenia Camara (1886-1964). Poetisa de Fortaleza.

Maria Eugenia Celso (1886-1964).

Idelfonsa Laura César (1794-?). Poetisa baiana.

Feliciana Maria das Chagas (?-?)

Mariana Coelho (1857-1954). Feminista e professora portuguesa que escolheu Curitiba e o Brasil como seu lar.

Julia Maria da Costa (1844-1911). Poetisa paranaense.

Delfina Benigna da Cunha (1791-1857). Poetisa gaúcha.

Francisca Senhorinha da Motta Diniz (?-1910). Publicista mineira. Escreveu o romance “A Judia Raquel”.

Maria Josefina Matilde (1808-1893). Tratou sobre temas relacionados à saúde feminina.

Amália Passos Figueiroa (1846-1875). Poetisa gaúcha.

Adélia Josefina de Castro Fonseca (1827-1920).

Cândida Fortes (1863-1922). Poetisa e contista gaúcha.

Maria Filipa Máxima de França (?-?)

Maria Gabriela de Jesus Ferreira França (?-?). Romancista que assinava como “uma fluminense”.

Carmem Freire (1855-1891). Poetisa carioca.

Amélia de Freitas Bevilaqua (1860-1946). Publicista, advogada e escritora feminista.

Anna Ribeiro de Goes Bittencourt (1843-1930). Poetisa baiana que havia sido senhora de engenho.

Maria Augusta da Silva Guimarães (1851-1873). Poetisa baiana.

Albertina Berta Lafayette Stockler (1880-1953). Romancista carioca.

Constança Lima (?-?). Autora de culinária.

Maria José Moreira Lima (1867-1895). Poetisa de Maceio.

Ana Aurora do Amaral Lisboa (1860-1959). Poetisa gaúcha que assinava “Aura Lis”.

Maria Belarmina Lisboa (?-?). Viúva que escreveu pedido jurídico.

Julia Lopes de Almeida (1862-1914). Publicista e romancista carioca. Autora de grande número de obras.

Inês Sabino (1853-1911) Seu nome completo era Maria Inês Sabino Pinto Maia. Poetisa e romancista baiana que escreveu um dicionário de autoria feminina brasileira.

Joanna Margarida (?-?). Senhora que escreveu ao jornal uma carta de cunho jurídico.

Emília Adelaide Moniz de Maia  (Emília da Maia) (1848-1919). Poetisa carioca.

Julieta de Melo Monteiro (1863-1928). Poetisa e dramaturga gaúcha.

Maria Angélica de Toledo Marcondes de Montezuma. (Viscondessa de Jequitinhonha) (?-?). Escreveu um “comunicado ao público”.

Ana Justina Ferreira Neri (1814-1880). Escreveu “As Brasileiras”.

Josefina de Neuville (1823-1889). Memorialista carioca.

Joanna de Noronha (?-?). Escreveu “As consolações”.

Maria Francisca Nunes (?-?). Escreveu texto jurídico sobre assassinato de seu marido.

Constança Oliva de Lima (?-?) Publicista brasileira que escreveu livro de receitas.

Andradina América de Andrade e Oliveira (1859-1953). Contista e jornalista gaúcha.

Maria Filiciana de Oliveira (?-?). Novelista que escreveu “Marta”.

Maria Pais de Barros (1851-1952). Memorialista paulista.

Emília Augusto Gomide Penide (1840-1886). Erudita mineira.

Maria Helena Câmara de Andrade Pinto (?-?). Poetisa carioca.

Luísa Amélia de Queirós Brandão (1838-?). Poetisa piauiense.

Ângela do Amaral Rangel  (1726-?). Poetisa cega carioca. Conhecida como “A Ceguinha”.

Maria Firmina dos Reis (1825- 1917). Poetisa e romancista negra maranhense.

Maria Angélica Ribeiro (1829-1880). Dramaturga carioca.

Amélia Rodrigues (1861-1929). Escritora e poetisa baiana.

Maria Carolina Bethencourt Ribeiro (1856-?). Publicista carioca.

Maria Clemência da Silveira Sampaio (1789-1862). Poetisa baiana.

Clara Bernardina dos Santos (?-?). Escreveu texto jurídico sobre o assassinato de seu marido.

Maria Cândida de Figueiredo Santos (?-?). Poetisa e professora pernambucana.

Emiliana Delminda (1865-1963) Poetisa e escritora paulista.

Joaquina da Conceição Pereira Osório de Sequeira (1868-?). Escritora portuguesa que publicou no Brasil livros de receitas. Assinava como “Sofia de Sousa”.

Maria Cleofa da Silva (?-?). Escreveu texto jurídico.

Teresa Margarida da Silva e Orta (1712-1783). Romancista paulista. Escreveu o primeiro romance de autoria feminina em língua portuguesa.

Maria Simões (?-?). Poetisa paraense.

Delminda Silveira de Sousa (1856-1932). Poetisa e professora catarinense.

Maria Zalina Rolim de Toledo (1869-?). Poetisa paulista.

Ernestina Fagundes Varela (?-?). Poetisa carioca. Irmã do poeta Luiz Nicolau Fagundes Varella (1841-1875)

Violante Ataliba Ximenes de Bivar e Velasco (1817-1875). A primeira jornalista brasileira.

Notamos que a fonte para esta listagem foi a pesquisa em arquivos, o Real Gabinete Portugues de Leitura e a Fundação Biblioteca Nacional, bem como o auxílio de algumas listas já existentes de autoria feminina. Nomeadamente, adicionamos e atualizamos o livro Oliveira, A. Lopes de. Escritoras Brasileiras Galegas e Portuguesas, (Braga: Tipografia Silva Pereira, 1983), que já apresenta um grande número destes nomes.

(*) Elen Biguelini é doutora em História (Universidade de Coimbra, 2017) e Mestre em Estudos Feministas (Universidade de Coimbra, 2012), tendo como foco a pesquisa na história das mulheres e da autoria feminina durante o século XIX. Ela escreve semanalmente aos domingos, no Site.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. Nomes esquecidos que escreveram livros que quase ninguém mais lê. Que irão parar numa tese que poucos lerão e que, por sua vez, será esquecida também. Resumo da opera: esquecimento, como a morte, é extremamente inclusive e não discrimina ninguém. É duro, mas não por isto deixa de ser verdade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo