O que o PTB diz. E o que ele vai, de fato, fazer

Seminário do PTB, sexta-feira e ontem, em Santa Maria, decidiu o óbvio: qualquer definição acerca de candidato ao Governo do Estado, ou coligação com outra sigla, fica para a convenção, que acontece em 30 de junho. E mais: a idéia é permitir que se crie uma forte nominata de candidatos a deputado estadual e federal, garantindo boas bancadas à legenda. Isso é o que se disse, no encontro que teve a participação do maior nome do partido no Estado, Sérgio Zambiasi e dos presidentes nacionais, o oficial, Flávio Martiniz, e o benemérito, o deputado cassado por falta de decoro, Roberto Jefferson.
Mas, e o que não se disse? Simples: o PTB historicamente não tem candidato a governador no RS por que seu único nome viável, Zambiasi, nunca pretendeu concorrer. E agora não é diferente. E a ênfase à eleição proporcional, agora, mais que uma estratégia, é uma necessidade. Afinal, os petebistas, como outras agremiações médias, corre o risco de não alcançar o quociente exigido pela cláusula de barreira (5% dos votos nacionais e pelo menos 2% dos votos válidos em nove estados). Assim, o PTB é obrigado a ter um grupo forte de candidatos e a seção gaúcha do partido vai dar sua contribuição.
Para conhecer a posição oficial, distribuída à mídia pela assessoria do PTB-RS, leia, a seguir o que foi distribuído à mídia, pela assessoria do PTB-RS.

Com 25 pré-candidatos a deputado federal e 50 a deputado estadual já anunciados, o PTB do Rio Grande do Sul definirá como será sua participação na disputa pelo governo somente na convenção estadual do partido, marcada para o dia 30 de junho. Até lá, os dirigentes do PTB consideram fundamental a permanência do partido no núcleo do governo, já que o compromisso prioritário da sigla é com a governabilidade do Estado. Esta foi a principal decisão do 8º Seminário Estadual do PTB, que atraiu mais de mil militantes e filiados ao Centro de Convenções do Park Hotel Morotin, em Santa Maria.
Durante dois dias (31 de março e 1º de abril), o partido definiu as ações que serão prioridade até o dia da eleição. Com a presença do presidente nacional da sigla, Flavio Martinez, e do presidente licenciado Roberto Jefferson, o presidente estadual Edir Oliveira e o senador Sérgio Zambiasi apresentaram aos militantes as metas para 2006. Edir afirmou que o PTB já não está mais entre os pequenos partidos, mas à altura de buscar novos projetos. “Estamos numa posição privilegiada, ninguém viabiliza um governo se não encontrar aquela peça que falta no quebra-cabeças, e nós caminhamos para isso”, avaliou o presidente estadual.
Edir confirmou que o partido está em uma posição favorável no quadro sucessório ao governo estadual. “Até a convenção de 30 de junho haverá muito espaço para deliberações sobre os rumos do partido, mas a executiva atuará para que a legenda tenha uma posição de destaque neste processo”, avisou. “Estamos com as negociações em andamento”, completou Edir. O presidente estadual considera que tudo deve ser ponderado para que nas eleições de 2006 o partido consiga ampliar seu espaço. Isso também significa conquistar sólidas bancadas na Assembléia Legislativa e na Câmara dos Deputados, com nominatas fortes e representativos do trabalhismo do Rio Grande do Sul.
Zambiasi avaliou este como o grande momento de reafirmação nacional do PTB gaúcho. “Desde a crise nacional, o PTB só teve ascensão. Por isso não podemos apressar qualquer decisão”, disse o senador, lembrando que o momento é de formação de novas lideranças. Martinez lembrou que quando ele assumiu o comando nacional do PTB cresceu nele a certeza de que o trabalhismo ainda tinha uma missão a cumprir. Diante dos militantes, Jefferson lembrou que havia avisado Martinez de que é aqui no Rio Grande do Sul que está a força do PTB, “que deve ser levada ao resto do País”.
Mais uma vez os dirigentes do partido afirmaram que o PTB não ficará fora da disputa majoritária de outubro. “Teremos nos próximos 60 dias muita emoção pela frente. Por mais que possa parecer, o jogo não está sendo jogado ainda. A nossa parte não está definida de forma alguma. Temos compromisso é com a governabilidade e não vamos correr da raia”, disse o coordenador político do PTB gaúcho, Cláudio Manfroi. O dirigente ainda destacou que, como em disputas eleitorais anteriores, a militância do PTB é que fará a diferença.”



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *