Arquivo

Artigo. Luciano Ribas, o arcebispo de Recife, a absurda excomunhão do médico e as Cruzadas

“…Por pensar assim é que não me surpreende a infinita capacidade que os descendentes de Torquemada têm para pronunciar asneiras “à cidade e ao mundo”, gente como o referido arcebispo, um senhor de mentalidade medieval, língua ferina e nenhuma humanidade.

 

A excomunhão proferida ao médico que interrompeu a gravidez de uma menina de nove anos estuprada pelo padrasto é um ato tão nefasto quanto irrelevante, pois felizmente foram-se os dias em que alguém com coluna vertebral e polegar opositor dava alguma importância para isso. Grave de verdade, porém, é a frase dita posteriormente, que julga o aborto (legal e moralmente justificável, além de realizado por uma equipe médica de um país laico) um “crime” pior que o estupro – opinião que parece corroborada pela ausência de excomunhão para o estuprador. Torçamos para que a lei dos homens seja menos falha que a executada pelos representantes de Deus em Pernambuco…”

                       

Os parágrafos acima são parte do artigo “Medievos”, do colaborador semanal deste site, Luciano Ribas. E que foi publicado nesta segunda-feira-feira. Basta ir à caixa de “Artigos”, ao lado, para lê-lo na íntegra. Boa leitura!

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo