Mídia

EIS O “PROBLEMA”! Não é o que Lula fala. Mas o fato de ser ouvido por milhões

O “problema” é que ele fala. E, o “pior”: é ouvido por milhões
O “problema” é que ele fala. E, o “pior”: é ouvido por milhões

A entrevista de Luiz Inácio Lula da Silva ao repórter Kennedy Alencar, da Folha de São Paulo, no meio da semana passada, ainda dá o que falar. Tenho para mim, que li a íntegra (se você quiser fazer o mesmo, basta clicar AQUI) que o jornalista Ricardo Amaral tem razão. Inteira razão.

E o que Amaral escreveu, entre outras coisas, é que o problema, para a mídia grandona, claramente aliada à oposição (o que é um direito dela – pena que não torne isso transparente para seu público), o importante é o acessório, e nunca o principal. Até porque, se fosse assim, o “problema” seria multiplicado.

Hein? Isso mesmo: o “problema” não é o que Lula fala, mas o fato de ser ouvido. E que com ele concordem milhões, como atestam as pesquisas. Mas, enfim, isso é só uma análise. Há outras, por certo. Para saber o que escreve Ricardo Amaral, confira o texto dele, publicado na página editada por Luis Nassif. A foto é de Ricardo Stuckert, da SCS/Pr. A seguir:

O discurso de Lula

O problema com Lula não é falar demais; é ser ouvido por milhões

Como se esperava, a boa entrevista do Lula ao Kennedy Alencar repercute na imprensa por causa de duas irrelevâncias, destacadas pela edição da Folha: uma frase descontextualizada sobre jornalismo e uma comparação exagerada com Jesus Cristo. É mais do mesmo. Esse pessoal acha que Lula fala demais e fala bobagem. Só este ano já foram 220 entrevistas e outros tantos discursos nas mais diversas circunstâncias. É natural que deixe escapar frases infelizes, comparações inadequadas, exageros e injustiças. E daí? O dado objetivo é outro: Lula fala para dezenas de milhões, com objetividade e clareza; é ouvido e assimilado como nenhum outro presidente foi antes dele. Por isso incomoda tanto; por isso tentam repercutir o acessório e escamotear o conteúdo.

Lula é um tipo raro de político, especialmente para o convencionalíssimo padrão retórico brasileiro. Ele se expressa com sinceridade, em público e no particular. Seu discurso é uma poderosa arma política, porque costuma dizer não só o que as pessoas comuns querem, mas o que elas precisam ouvir. Para arriscar uma comparação: o Winston Churchill da Batalha da Inglaterra (já ouço o espocar dos ovos). Grandes líderes percebem que a palavra sincera pode ser mobilizadora.

O comum na política é a frase evasiva; é contornar o conflito para não agravar a realidade. Só raramente grandes políticos brasileiros usaram a retórica de forma eficaz. Leonel Brizola, depois do exílio, teve grandes momentos, mas o exemplo que me vem agora é Ulysses Guimarães, na promulgação da Carta de 1988. “Temos ódio à ditadura. Ódio e nojo”, ele disse, na cara dos generais, lembrando ao país que a obra da redemocratização ainda não estava completa…”

PARA LER A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI

SUGESTÃO ADICIONAL – confira aqui, se desejar, também outras reportagens e artigos publicados e/ou comentados por Luis Nassif.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo