JornalismoJudiciárioMídia

MÍDIA E JUSTIÇA. Collor vai levar uma grana da Veja. Afinal, ele foi absolvido no STF

Ex-Presidente da República, hoje senador por Alagoas, vai levar um troquinho da “Veja”
Ex-Presidente da República, hoje senador por Alagoas, vai levar um troquinho da “Veja”

Uma coisa é noticiar que alguém está sendo investigado. E publicar as peças do inquérito, se houver, ou da ação judicial. São documentos públicos. Este (nem sempre) humilde repórter, por exemplo, sempre segue esta regra. Outra é, depois de concluído o inquérito (sem indiciamento) ou o processo (com absolvição), a mídia continuar achando e dizendo que o sujeito é culpado.

Simplificadamente, é isso que aconteceu no enrosco envolvendo o ex-presidente Fernando Collor e a ex-revista Veja. Que publicou reportagem ofensiva ao hoje senador, utilizando termos que o desqualificavam pessoal e juridicamente – num momento em que ele, além de não ser mais réu, havia sido inocentado.

Pooois é! Mas a insistência da publicação e do diretor da Editora Abril acabou valendo uma ação por dano moral e a condenação da ex-revista e do jornalista. Os detalhes estão em reportagem publicada no sítio especializado Espaço Vital, com foto de José Cruz, da Agência Brasil. Confira:

TJ/RJ condena jornalista e editora Abril a indenizar Collor de Mello

O ex-presidente da República Fernando Collor de Mello receberá da editora Abril e do jornalista Roberto Civita R$ 30 mil de indenização, por danos morais, de acordo com decisão da 12ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio. O senador ajuizou a ação depois de ter sido alvo de reportagem da Revista Veja, em julho de 2004, na qual é chamado de corrupto e de ver seu nome vinculado, em matéria na internet, a pessoas condenadas por corrupção.
De acordo com os autos, Collor alegou que teve honra e imagem maculadas devido à publicação da matéria, na qual ele e mais cinco pessoas são acusados de participarem de um esquema de corrupção batizado como “Esquema PC”. A reportagem fez referência também à apreensão do computador de seu tesoureiro, PC Farias, pela Polícia Federal, onde havia organograma detalhando como funcionava a estrutura do esquema.
Ainda segundo a matéria, no topo do gráfico estavam as palavras “big boss”, apelido pelo qual Collor era chamado pelos demais membros da quadrilha. Vale lembrar que durante o julgamento do ex-presidente pelo Supremo Tribunal Federal, no qual foi absolvido, a…”

PARA LER A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI.

SUGESTÃO ADICIONAL – confira aqui, se desejar, também outras reportagens publicadas pelo sítio especializado Espaço Vital.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. rsrsrsrsrs!
    Se alguém que tem que receber dinheiro é os milhões de pessoas que o collor usurpou dinheiro da poupança!
    É tem coisa que só a política faz por você!
    Deputado que não trabalha, senador morto que recebe auxílio, viúva endinheirada, marajá no exterior e revista com medo da máfia!
    Essa política brasileira é única!
    Tem de tudo!
    Partido de aluguel, passagem pra amante, celular para filha e turismo da muamba no Paraguai bancado por diárias e seminários!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo