Artigos

O Rio de Janeiro segue lindo e… violento – por Gilson Piber

Quis o destino que, de 10 a 13 de outubro, viajasse ao Rio de Janeiro com a família. Tudo graças ao glorioso cartão de crédito, com pagamento da viagem em 10 vezes, e muita economia.  A Cidade Maravilhosa segue bela, com povo hospitaleiro e diversas atrações à disposição dos turistas, boa parte deles oriundos do exterior. Americanos, espanhóis, japoneses, alemães, italianos, latinos e outros tantos convivem em meio aos brasileiros.

Senti na pele a satisfação e a alegria de ver Flamengo 2 x 1 São Paulo, no Maracanã, acompanhado do meu filho. Aliás, o garoto virou flamenguista. Nem poderia ser diferente, pela magia que a torcida do Mengão e o próprio Maracanã transmitem. Foi um 10 de outubro inesquecível. Ficamos nas arquibancadas brancas e gastamos 60 reais de ingresso.

A visita ao Pão de Açúcar e ao Cristo Redentor, no dia 11 de outubro, foi bastante interessante. Inesquecível pela beleza e também pelos valores cobrados: 44 reais para subir ao morro doce e 36 reais para ficar pertinho da imagem religiosa de braços abertos. Se o sol ajudou na manhã, a neblina atrapalhou no meio da tarde em diante. Mas valeu também. A retina armazenou para sempre os dois passeios.

No feriado do dia 12 de outubro, o jeito foi encarar um chope (R$ 4,70) e uma água de coco (R$ 3,00) na Praia de Copacabana. Tudo muito lindo, e muito caro também. A ida ao Shopping da Barra foi outro investimento salgadinho para o bolso, mas não teve jeito. É impossível não se molhar quando se está na chuva.

O Rio de Janeiro, cidade-sede da Olimpíada de 2016, continua lindo e maravilhoso, principalmente na zona sul. Nas demais regiões, a situação não é a mesma. A violência está nas ruas, e o tráfico de drogas e a prostituição correm soltos, inclusive em Copacabana. Eu vi, ninguém me contou. Pelo rádio, ouvi que uma bala perdida atingiu e matou um senhor que jogava cartas com o filho na zona oeste. Em São Conrado, um assaltante levou a pistola de um policial em serviço. No último final de semana, os traficantes do Morro dos Macacos derrubaram um helicóptero da polícia. Dois policiais morreram no sábado (17), e mais um ontem (19). Ao todo, na região norte e entornos, ocorreram 20 mortes. A Polícia Militar diz que as operações serão mantidas.

Não sei como o Rio de Janeiro ganhou de Madri a disputa para sediar a Olimpíada. A infraestrutura da cidade deixa a desejar, principalmente no trânsito. Os congestionamentos diários irritam motoristas em geral. O metrô é uma alternativa, mas tem gente que reclama da tarifa (paguei R$ 2,80 para ir ao Maracanã).

É verdade que os Jogos Olímpicos serão em 2016, mas antes tem a Copa do Mundo, em 2014.  Até lá, muitos investimentos devem ser feitos. Ontem (19), o presidente Lula condenou a violência no Rio de Janeiro e disse que o governo federal dará toda “ajuda possível” às autoridades fluminenses no combate ao narcotráfico.

Guardei uma frase após conversar com uma senhora que passeava com os seus três cães pelo calçadão de Copacabana: “O Rio é lindo, mas a gente sai de casa e não sabe se volta vivo. Isso preocupa”. A beleza e o medo convivem juntos na Cidade Maravilhosa. Está na cara das pessoas. E a vida continua, ou melhor, precisa continuar.

Gilson Piber – gilsonpiber@yahoo.com.br

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo