Congresso

VIOLÊNCIA URBANA. Relator de CPI, Pimenta reclama da liberalidade da progressão penal

O santa-mariense Paulo Pimenta (PT) é o relator da Comissão Parlamentar de Inquérito que, na Câmara dos Deputados, trata da questão da violência urbana. Pimenta, a propósito, produziu artigo em que se refere à CPI, lamenta a “excessiva liberalidade” na progressão penal para condenados por tráfico de drogas e armas (que permite a muitos a liberdade antecipada) e fala de outras medidas que entende serem necessárias, independente do resultado da Comissão.

No texto, que você lerá a seguir na íntegra, Pimenta defende a aprovação urgente, pelo Congresso, de medidas que podem auxiliar no combate à violência urbana. Saiba quais, no material a seguir. A foto é de Jorge Campos, da Agência Câmara de Notícias. Confira:

Regime de progressão penal para tráfico de armas e drogas é excessivamente liberal

Pimenta: para traficante de crack, necessidade de punição maior
Pimenta: para traficante de crack, necessidade de punição maior

Em agosto deste ano, a Câmara dos Deputados instalou a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Violência Urbana, uma das mais importantes deste segundo semestre na Casa. Desde o início, apresentamos como objetivo da comissão a elaboração de um modelo de política de segurança pública para o Brasil, com maior integração das polícias em nível federal, estadual e municipal; a criação de um sistema de financiamento com base orçamentária para investimentos na área; e o piso nacional aos profissionais de segurança pública e agentes penitenciários do Pa ís.

Com os últimos acontecimentos no Rio de Janeiro, onde um helicóptero da Polícia Militar foi derrubado por traficantes que mantêm em seu poder armas de uso restrito, a sociedade reage e nós, representantes da população, temos a responsabilidade de propor ações para conter o avanço da criminalidade, uma vez que está comprovada a ineficiência do modelo de segurança pública brasileiro.

No entanto, políticas federais inovadoras têm surgido neste âmbito, entre as quais destaco como a principal o Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci), que, desde sua implantação no ano passado, vem acabando com a visão dicotômica de que não há como se realizar segurança pública com inclusão social, atingindo as camadas mais vulneráveis ao aliciamento da criminalidade.

Para que tenhamos êxito na consolidação das práticas a serem adotadas, é preciso também a concatenação dos trabalhos entre os três Poderes. Dessa forma, deve haver por parte do Ministério Público Federal e do Supremo Tribunal Federal (STF) uma disposição em dialogar com o Congresso Nacional, no sentido de construir legislações e políticas comuns que aumentem a capacidade do Estado de enfrentar o crime organizado.

No Congresso Nacional, aprovamos, em 2003, o Estatuto do Desarmamento, que determinava, em seu artigo 21, a proibição da liberdade provisória para os crimes de posse ou porte ilegal de arma de fogo de uso restrito, o comércio ilegal de arma de fogo e o tráfico internacional de arma de fogo – artigo que foi considerado inconstitucional pelo STF. O sentimento de que o regime de progressão penal em vigor no Brasil para o tráfico de armas e drogas é excessivamente liberal é compartilhado pelo ministro da Justiça, Tarso Genro, evidenciado após sua recente participação na CPI.

As cenas corriqueiras de traficantes desfilando com armas de grosso calibre em plena luz do dia no Rio de Janeiro revelam uma lacuna legislativa ao tratar como crime de mera conduta a posse de um fuzil. Por esse motivo, defendemos que o porte ilegal de armas desenvolvidas para combate deve ser tratado como um delito de maior potencial ofensivo à sociedade, caracterizando atividade típica do crime organizado.

À legislação rigorosa devem estar somadas outras iniciativas, como maior controle de nossas fronteiras, enfraquecendo o tráfico de armas e drogas. No caso das armas, 80% delas vêm do Paraguai, e é inadmissível que entrem no Brasil com a maior facilidade, percorram milhares de quilômetros, passando por barreiras da Receita Federal e de forças policiais, sem serem interceptadas.

Outro fator a ser considerado é que não há como discutir segurança pública no Brasil sem nos debruçarmos com devida atenção à “epidemia do crack”, droga que teve seu consumo aumentado consideravelmente nos últimos anos.

Dessa forma, são medidas urgentes a serem assumidas pelo Congresso a aprovação do projeto que tipifica o porte de armas de combate, como as automáticas e explosivos; legalizar para polícia, em casos especiais, o uso dessas armas de guerra apreendidas; e o aumento da pena para o tráfico de crack, diferenciando-o das demais drogas.

Por fim, é compromisso da CPI da Violência Urbana, propor, na legislação, dispositivo que obrigue a vinculação das receitas para a área da segurança pública, capacitando os estados e municípios no combate à criminalidade.”

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. Olá, eu sou estudante do 3º ano do ensino médio. Estou fazendo um trabalho sobre violencia urbana, que consiste no levantamento de dados para um debate em sala de aula. Tenho que defender o combate à violencia (seja ela fisica ou psicologica) através de leis rigorosas. Durante as pesquisas achei esse site, e gostaria de receber mais informações sobre codigo penal e leis já aprovadas sobre o assunto. agradeço pela atenção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo