JornalismoJudiciárioMídia

IMPRENSA E PODER. Ação de Yeda e sua filha contra jornalista da RBS é considerada improcedente

Em 16 de julho do ano passado, uma manifestação do CPERS, contra a governadora Yeda Crusius foi feita na frente da casa dela. Como desdobramentos, dois netos da titular do Piratini teriam sido impedidos, por uma hora, de deixar a residência e ir à escola. E, segundo, haveria constrangedora publicidade da imagem dos filhos de Tarsila, filha de Yeda.

O fato e a foto foram objeto de reportagens diversas. E todos os autores e veículos estão agora sendo processados por avó e filha. Pelo menos um caso, ainda que em primeira instância (portanto cabendo recurso), já teve desfecho. E foi desfavorável à família Crusius, inocentando um jornalista do grupo RBS.

Os detalhes disso tudo, e especialmente dessa primeira decisão, foram noticiados com exclusividade pelo sítio Espaço Vital, especializado em informações jurídicas. E que passo a reproduzir. Acompanhe:

 “Exclusivo: Improcedência da ação de neto da governadora Yeda contra jornalista

Os menores (…) e (…), com respectivamente 11 e 9 anos de idade, se transformaram, em outubro do ano passado, nos autores que, no menor espaço de tempo, ingressaram com o maior número de ações (oito) por dano moral provocadas por um único fato, com dois desdobramentos.

As oito ações foram aforadas contra o Cpers Sindicato e sua presidente Rejane Silva de Oliveira (caso gerador); contra quatro empresas jornalísticas; e contra três jornalistas. Os processos tramitam na 1ª, 4ª, 9ª, 13ª e 14ª,  Varas do Foro Central de Porto Alegre.

Ontem (terça) saiu a primeira sentença, proferida pelo juiz Jorge André Pereira Gailhard, da 13ª Vara Cível de Porto Alegre, concluindo a prestação jurisdicional de primeiro grau na ação ajuizada apenas pelo menor João Guilherme – representado por sua mãe, Tarsila Rorato Crusius – contra o jornalista André Machado, pela veiculação feita em seu blog.

No julgado, o magistrado resume os fatos dos incidentes ocorridos à frente da casa da governadora e conclui que “a exposição inadequada do menor aos meios de comunicação foi proporcionada pelos seus próprios responsáveis, não podendo o requerido ser penalizado pela divulgação da fotografia em seu blog, eis que o menor encontrava-se em meio ao confronto da  governadora, sua avó, com os manifestantes do CPERS”.

O juiz também releva que “o jornalista não vinculou a fotografia do infante a fatos desabonatórios ou que pudessem lhe acarretar situação vexatória perante terceiros”…”

PARA LER A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI.

SUGESTÃO ADICIONAL – confira aqui, se desejar, também outras reportagens produzidas pelo sítio especializado Espaço Vital.

SIGA O SITÍO NO TWITTER

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo