CampanhaEleições 2010Mídia

ANÁLISE. A mídia tem, sim, candidatos. O problema não é esse, mas a omissão

Vale para qualquer lugar, seja na província ou na república. Jornais, emissoras de rádio e televisão, têm, sim, os seus candidatos. E o problema nem é esse, mas a omissão do fato ao seu público. O sujeito que lê Folha de São Paulo (para ficar lá por cima), ou vê o “Jornal Nacional”, tem que saber a opção do veículo. Não faz mal nenhum. Nos Estados Unidos, para ficar no exemplo maior e mais conhecido, os principais veículos de comunicação explicam direitinho, em editorial, o que defendem e quem defendem. E não misturam isso com o noticiário factual. O leitor, ouvinte e telespectador não é enganado.

Já no Brasil, salvo raríssimas exceções (cito sempre o ótimo jornal conservador O Estado de São Paulo e a não menos ótima revista Carta Capital), isso é escamoteado. Resumindo: engambelam o distinto público. Mas, e isso é ainda pior, dirigem o noticiário conforme O SEU interesse, e não em torno do fato.

Para saber mais do que ocorre por cá, que tal ler a análise feita por Luciano Martins Costa, professor e jornalista? O artigo foi originalmente publicado no sítio especializado (e que tem também programas de rádio e televisão) Observatório da Imprensa. A seguir:

 “COBERTURA ELEITORAL – A pauta enviesada da imprensa

Todos os anos em que há eleições importantes no Brasil, ou seja, para a Presidência da República e os governos dos estados, a maioria dos grandes jornais prepara ambiciosos projetos de cobertura, prometendo isenção, distanciamento, equilíbrio e a reprodução da verdade, somente a verdade.

E em todas as campanhas se dá o mesmo fenômeno: jornais e revistas e emissoras fazem suas escolhas, mas omitem seu engajamento e tentam convencer os eleitores de que a cobertura segue os padrões anunciados solenemente na divulgação dos projetos editoriais.

Mas não demora muito para cair a máscara: basta que a realidade contrarie os planos da imprensa para que o trabalho jornalístico se misture à baixaria, que é o cenário inevitável de toda campanha: os programas anunciados pelas coligações nunca são levados a debate e todo o noticiário acaba se resumindo a um ou dois escândalos, nos quais a imprensa passa a martelar todos os dias.

Não que os temas dos escândalos sejam inventados. Eles existem, sempre existiram, na profusão de buracos que caracteriza o funcionamento das instituições públicas no Brasil. Mas se transformam em material jornalístico nos dossiês, nas tentativas de macular a reputação do adversário, no esforço para distorcer os fatos em favor deste ou daquele candidato…”

PARA LER A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI

SIGA O SITÍO NO TWITTER

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo