AssembleiaEconomiaPolítica

ECONOMIA. Valdeci vai a Fórum da Fiergs e defende união por uso do carvão mineral gaúcho como energia

Valdeci Oliveira (E) na Fiergs: “ainda é necessário avançar; precisamos ser protagonistas”
Valdeci Oliveira (E) na Fiergs: “ainda é necessário avançar; precisamos ser protagonistas”

Nesta terça-feira, a Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul sediou fórum para debater o “carvão mineral na nova economia da região sul”. Além de dirigentes empresariais e parlamentares dos estados sulinos, afora entidades do segmento, participou também o coordenador da Frente Parlamentar formada na Assembleia Legislativa, Valdeci Oliveira.

O petista, bem, o que ele disse você confere no material produzido e distribuído por sua assessoria de imprensa.  O texto e a foto são de Tiago Dias. A seguir:

Valdeci defende união e incentivos para o carvão mineral

“O carvão mineral na nova economia da Região Sul” foi tema da reunião do Fórum Industrial Sul, promovida pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina e do Paraná, que ocorreu na manhã desta terça-feira (02) na FIERGS, em Porto Alegre. Com a a participação de industriais, parlamentares do RS, SC e PR e representantes de entidades do segmento, especialistas debateram a economia, a geração de emprego e renda, o desenvolvimento e sustentabilidade durante o encontro.

O coordenador da Frente Parlamentar em Defesa do Carvão Mineral Gaúcho, deputado estadual Valdeci Oliveira (PT) reforçou a importância da união para que todas as ações sejam efetivas. “Estamos aqui para colocar Frente Parlamentar à disposição e não só esta iniciativa, mas também nossa determinação política enquanto deputado e líder do governo, para fazermos mais a partir de agora. Precisamos da convergência destas forças para que tenhamos um bom resultado logo ali adiante”, disse.

Valdeci salientou que cadeia produtiva ganhou nova perspectiva com a confirmação recente do ministro Edison Lobão e do governador Tarso Genro de que o carvão mineral fará parte dos leilões de energia do governo federal a partir do segundo semestre de 2013, o que não ocorria há quatro anos, mas que é necessário, ainda, avançar. “Nós temos de efetivamente ser protagonistas neste processo como fomos, no ano passado, com a criação do Programa Estadual da Energia Eólica. É preciso dispormos de um programa concreto de incentivos para estimular que os empreendedores do carvão aportem no Estado com vigor, mas que atendam a um pré-requisito fundamental: a proteção ambiental. Hoje, a exploração do carvão, a partir das tecnologias e da regulamentação das compensações ambientais, tem todas as condições para ser sustentável e competitiva”, afirmou.

Recebidos pelos presidentes da FIERGS, Heitor José Müller; da FIEP, Edson Luiz Capagnolo; e da FIESC, Glauco José Côrte, os convidados assistiram, entre os painelistas, a exposição do presidente da Associação Brasileira de Carvão Mineral, Fernando Zancan, com dados e números sobre a produção, economia e desenvolvimento ao longo dos últimos anos e a projeção para o próximo período. A estimativa, segundo Zancan, é de que sejam investidos entre R$ 13 e 16 bilhões nos Estados da região Sul, até 2015, nos projetos que já estão em desenvolvimento.

O encontro também contou com a participação do vice-governador, Beto Grill, do presidente da Assembleia Legislativa do RS, Pedro Westphalen, dos deputados federais Ronaldo Zulke e Afonso Hamm, do secretário de Infraestrutura e Logística, Caleb de Oliveira, do presidente da Companhia Riograndense de Mineração, Elifas Simas, o prefeito de Candiota, Luiz Folador, entre outras autoridades e representantes sindicais e de empresas da área.”

 

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo