JudiciárioSanta MariaTragédia

KISS. Por conta da citação de Schirmer, decisão desta quarta, em Porto Alegre, vai balizar futuro do processo

Onde entra o prefeito Cezar Schirmer nesta história? Simples: como foi apontado pelo inquérito policial, a parte que se refere a ele foi encaminhada ao Tribunal de Justiça do Estado. Mais exatamente à Quarta Câmara, que trata somente de casos envolvendo chefes do Executivo municipais.

Lá está se decidindo se o prefeito será ou não processado na área criminal (o apontamento policial é por homicídio culposo). O Ministério Público ainda não se manifestou, portanto não há decisão ainda do desembargador designado – o que pode demorar alguns meses.

No entanto, por conta dessa circunstância, um dos pedidos do advogado Jader Marques, que defende o reu Elissandro Spohr, o Kiko, requereu que toda a ação penal (e não apenas de Schirmer) seja tratada no Tribunal de Justiça.

Se o pleito for aceito, muda o curso do processo e vai tudo para a capital. Eis a principal importância do que se decide a partir das 2 da tarde desta quarta, no Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul – e que terá o acompanhamento, inclusive, de representação da Associação de Familiares das Vítimas da tragédia.

Ah, mas esse não é o único requerimento de Marques, como você pode conferir em material publicado na tarde passada na versão online do Diário de Santa Maria. A reportagem é de Lisie Antonello. A seguir:

 “Tribunal de Justiça julgará dois pedidos relativos à boate Kiss nesta quarta-feira

A 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado julgará, nesta quarta-feira, dois de três pedidos relativos à boate Kiss. As solicitações foram protocoladas pelo advogado Jader Marques, que defende Elissandro Spohr, o Kiko, sócio da danceteria.

Um dos pedidos do defensor foi quanto a incompetência da 1ª Vara Criminal sobre o caso. Segundo o advogado, o processo deve tramitar no TJ devido ao fato de o prefeito Cezar Schirmer ser um dos apontados pela Polícia Civil.
Outra solicitação de Marques é contra a decisão do juiz Ulysses Louzada, que homologou a Associação dos Familiares das Vítimas e Sobreviventes da Tragédia em Santa Maria como assistente de acusação no processo. O defensor diz que não há previsão legal para…”

PARA LER A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI.

 

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo