SUPREMO. Afinal, quem é Luís Roberto Barroso?

SUPREMO. Afinal, quem é Luís Roberto Barroso? - ministro-do-STF

Barroso, que ajudou o STF a definir situações, na condição de advogado, agora será parte dele

O cidadão comum não dá muita pelota. No entanto, é importante, sim, saber quem será um dos 11 brasileiros mais importantes, por ter o poder, com seus colegas, de decidir qualquer dúvida sobre constitucionalidade de leis, por exemplo.

Indicato por Dilma Rousseff, terá (ninguém duvida) seu nome referendado pelo Senado já no próximo mês e integrará a maior corte de Justiça do país, o Supremo Tribunal Federal. Mas, afinal, quem é Luís Roberto Barroso, que tem sido objeto de intensos elogios dos operadores do direito? E o que ele pensa, o que faz e mais alguma coisa? Confira o perfil acerca de Barroso, produzido por Rodrigo Haidar é editor da revista Consultor Jurídico em Brasília. A foto é da Agência Brasil. A seguir:

As ideias de Luís Roberto Barroso, novo ministro do STF

Quando começou a estudar Direito Constitucional, o advogado Luís Roberto Barroso ouviu um conselho de seu pai: “Meu filho, você precisa parar com esse negócio de fumar, de ser Flamengo e o Direito Constitucional também não vai levá-lo a parte alguma. Estuda processo civil!”. Barroso só deixou de fumar. Continua flamenguista e, graças à paixão que nutre pelo Direito Constitucional, foi indicado pela presidente da República, Dilma Rousseff, para o cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal.

Há pelo menos dez anos o nome de Barroso é citado entre aqueles que têm o perfil adequado para assumir o cargo de ministro do Supremo. Não por acaso. Sua trajetória profissional se confunde com a própria consolidação do Direito Constitucional no país depois da promulgação da Constituição Federal de 1988.

Nos últimos anos, como advogado, atuou na maioria dos casos paradigmáticos julgados pelo Supremo. Foi a partir de uma ação por ele elaborada, por exemplo, que a corte veio a editar a Súmula Vinculante 13, que veda o nepotismo nas três esferas de poderes da República.

A lista dos processos em que se sagrou vitorioso é longa. O reconhecimento do direito da gestante interromper a gravidez de fetos anencéfalos, a legitimidade de pesquisas com células-tronco embrionárias, o reconhecimento da união homoafetiva e a rejeição da extradição do ex-militante da esquerda italiana Cesare Battisti são alguns dos relevantes casos em que o advogado fez a diferença…”

PARA LER A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *