CIDADE. Sabe o Plano Municipal de Mobilidade Urbana? Pois é, ainda está sob análise na Câmara

CIDADE. Sabe o Plano Municipal de Mobilidade Urbana? Pois é, ainda está sob análise na Câmara - iplan-plano-diretor

Vereadores da Comissão ouviram a explanação dos técnicos do Instituto de Planejamento

É daquelas questões que todos imaginam resolvidas. Afinal, foi divulgado com pompa e circunstância, no ano passado. No entanto, para entrar em vigor, o Plano Diretor de Mobilidade Urbana, que custou cerca de R$ 1 milhão, ainda precisa ser referendado pela Câmara de Vereadores – que tem até uma Comissão especial para tratar do assunto, antes de chamar uma audiência pública e só então votar.

Aliás, uma das atividades da Comissão aconteceu na sexta-feira. Foi uma reunião explicativa no Instituto de Planejamento de Santa Maria, a propósito da qual a assessoria de imprensa da autarquia produziu o relato a seguir, em texto de Nathalia Apoitia. A foto é de Divulgação. Acompanhe:

Plano Diretor de Mobilidade Urbana é pauta entre IPLAN e comissão de vereadores

O Instituto de Planejamento de Santa Maria (IPLAN) recebeu, na sexta-feira (27), a Comissão Especial de Mobilidade Urbana. Responsável pelo gerenciamento do Plano Diretor, o Instituto sanou os questionamentos apontados pelos três vereadores membros da comissão. Encaminhado pelo Executivo Municipal, no final de 2014, o Plano de Mobilidade está em fase de análise na Câmara.

A reunião foi conduzida pelo presidente do IPLAN, Francisco Severo e contou com a colaboração do vice-presidente, Fábio Vasconcellos e do engenheiro Marcelo Rosés. Nela foram explanadas as metas do Plano, a visão estratégica, a criação de zonas prioritárias para pedestres, o transporte modal e o transporte público. A comissão que avalia o projeto é formada pelos vereadores Marcelo Bisogno, Werner Rempel e Cezar Gehm.

Planejado para otimizar e criar opções favoráveis ao tráfego de Santa Maria, o Plano Diretor de Mobilidade Urbana será apreciado em Audiência Pública – promovida pela Câmara de Vereadores – e, após discussão com a comunidade, o projeto de lei será votado.

Se aprovado, a prefeitura poderá dar continuidade a projetos ligados ao sistema viário do município, em especial o BRT. O modal abastecerá o trecho Leste/Oeste da cidade. A estimativa é de que cerca de 30% dos usuários de transporte particular passem a usar o novo meio.”



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *