KISS. Delegado Arigony, ouvido na Justiça, diz que, com mais tempo, outros nomes surgiriam no inquérito

KISS. Delegado Arigony, ouvido na Justiça, diz que, com mais tempo, outros nomes surgiriam no inquérito - kiss-arigony1

Arigony, em seu depoimento: município jamais explicou por que boate estava aberta

O delegado Marcelo Mendes Arigony, coordenador do inquérito policial que, em pouco menos de dois meses, apurou responsabilidades e juntou provas da tragédia de 27 de janeiro de 2013, foi até aqui a mais ilustre das testemunhas arroladas no processo criminal da Kiss.

Durante cerca de quatro horas ele  foi inquirido, após ter sido arrolado pela defesa do réu Elissandro Spohr, o Kiko. Não faltaram revelações, no depoimento de Arigony. Uma delas: se mais tempo houvesse para realizar o inquérito, outras pessoas poderiam ter sido citadas. Outra: o município jamais explicou por que a boate estava funcionando.

O fato é que 242 meninos e meninas morreram em decorrência da tragédia. O que pode muito bem servir de explicação para o que sentem pais e familiares das vítumas – um dos quais não resistiu e acabou sendo protagonista de um incidente, na audiência desta sexta-feira (mais detalhes AQUI).

Para saber mais do que disse o delegado, e também obter outras informações, vale conferir o material disponível na versão online do jornal A Razão. A reportagem é de Tiago Baltz (texto) e Deivid Dutra (foto). A seguir:

Com mais tempo, talvez chegássemos a outros nomes”, diz Arigony

KISS. Delegado Arigony, ouvido na Justiça, diz que, com mais tempo, outros nomes surgiriam no inquérito - kiss-selo3Durante quase quatro horas na manhã e no início da tarde desta sexta-feira, no Fórum de Santa Maria, o delegado Marcelo Arigony foi ouvido como testemunha no processo criminal da boate Kiss.

Arigony disse que não se arrepende de nada em relação ao trabalho policial. “Concluímos a investigação em 55 dias e fizemos todos os apontamentos possíveis, se tivéssemos mais tempo talvez chegássemos a outros nomes.”

Indagado diversas vezes por advogados de defesa sobre o porquê da tese de homicídio por dolo eventual aos réus, o delegado foi categórico: “Há uma questão de proporcionalidade, entre outras, claro. Não é plausível que um evento com 242 mortes e centenas de feridos não apontássemos o dolo, no caso eventual”.

O delegado reafirmou também que tanto a prefeitura quanto bombeiros agiram de forma irregular na boate. “Nunca houve todas as licenças, há documentos na prefeitura que apontam até 29 irregularidades na Kiss, e a prefeitura sequer, até hoje, abriu qualquer procedimento sobre isso. Não há uma resposta dentro da razoabilidade. O município jamais explicou o porquê de a boate estar aberta”.

Questionado pelo defensor do vocalista Marcelo de Jesus se havia falhas no trabalho, já que na justiça apenas quatro réus foram responsabilizados pelas mortes, Arigony declarou: “Sei que o seu cliente (Marcelo) é o lado mais fraco da corda. Lamento por ele, que tem sua culpa, iniciou o incêndio. A polícia apontou todos os que podia apontar. Nosso trabalho foi feito”.

PARA LER OUTRAS REPORTAGENS DE ‘A RAZÃO’, CLIQUE AQUI



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *