Destaque

OUTRO OLHAR. “Não nos enganemos com editorial d’O Globo e Jornal Nacional”, escreve ativista digital

Edição de ontem, do Jornal Nacional, o principal programa jornalístico das Organizações Globo, e a desconfiança do articulista
Edição de ontem, segunda, do Jornal Nacional, o principal programa jornalístico das Organizações Globo, e a desconfiança do articulista

Por LUIZ HENRIQUE OLIVEIRA (*)

Para barrar a Lava Jato, os corruptos afastaram uma Presidenta honesta e implacável no combate à corrupção. Os bandidos estão com a chave da cadeia. O impeachment foi usado para garantir impunidade aos corruptos. O áudio entre a conversa de Romero Jucá, braço direito de Michel, com o ex-senador Sérgio Machado, demonstra a obviedade do golpe. Se ainda as pessoas não tiverem capacidade para entender isso, o problema é patológico.

O Jornal Nacional sempre priorizou em seus primeiros blocos (com maior audiência) matérias de maior relevância. Não foi o que percebemos ontem ao ser noticiado o escândalo de Jucá e o governo ilegítimo. É necessário reconhecer que o caso foi explorado pelo noticiário, no entanto o público que tomou conhecimento através da emissora, evidentemente foi menor.

Não nos enganemos com o editorial extra promovido pelo Jornal O Globo pedindo a demissão do já exonerado Ministro Romero Jucá, isso foi apenas mais uma manobra para evitar a consolidação de um golpe na opinião pública, além de impedir que a crise se aprofundasse, uma vez que se Jucá continuasse como Ministro, o governo interino enfrentaria uma forte pressão e consequentemente um desgaste ainda maior. Temer não tem popularidade e seu desgoverno já começa agonizando. A ponte não tem mais como ser sustentada. Vai cair.

(*) Luiz Henrique Oliveira (O Barbudinho) é estudante de Marketing e ativista digital, e já interveio em cinco transmissões ao vivo da Rede Globo.

 

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

2 Comentários

  1. Uma pessoa no alto cargo que ocupa, com grande responsabilidade de dar exemplo, mas que blinda o seu tutor para ser protegido das investigações e ter foro privilegiado, pode ser considerada honesta?

  2. Opiniões orquestradas. Aldo Fornazieri, cientista político (???), afirma no Estadão que o caso Jucá envelheceu o governo Temer, que teria o prazo de validade vencido.
    Neste festival de petices, a única coisa de bom que podem falar de Dilma é que ela é honesta, ao menos por enquanto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo