CAMPO. Duas dezenas de produtores do interior da cidade vendem os seus produtos na Polifeira da UFSM

CAMPO. Duas dezenas de produtores do interior da cidade vendem os seus produtos na Polifeira da UFSM - prefeitura-polifeira

Agricultores de Santa Maria já percebem a nova feira, no campus, como uma oportunidade para a comercialização de seus produtos

Por MAURÍCIO ARAÚJO (texto) e DEISE FACHIN (foto), da Assessoria de Imprensa da Prefeitura

As segundas e quintas-feiras têm sido de muito comércio de hortifrútis e alimentos da agroindústria na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), onde cerca de 20 produtores do Município vão do campo para o campus vender seus produtos na Polifeira do Agricultor. A comercialização no largo do Planetário, iniciada em abril deste ano, é uma promoção do Colégio Politécnico da instituição, com apoio da Prefeitura Municipal. Quem vende, acredita que esse espaço – onde circulam mais de 20 mil pessoas todos os dias – é único e diferenciado, e quem compra, sai realizado com a diversidade e qualidade dos produtos.

O secretário de Desenvolvimento Rural do Município, Rodrigo Menna Barreto, acredita que cada vez mais a Polifeira vai crescer, já que os retornos dos agricultores e do público têm sido positivos. Segundo o secretário, e confirmado pelos produtores, as vendas aumentaram e, consequentemente, suas rendas.

“É um espaço muito importante aos agricultores, que já visualizam os retornos das suas atividades, pois é um público grande, único e que aproveita a oportunidade de estar em seu ambiente de estudo ou trabalho para consumir”, explicou Menna Barreto.Quanto aos produtores, é consenso: a Polifeira é uma grande oportunidade de vendas. É o que disse Neusa Biasi, do Distrito de Arroio Grande. Segundo ela, os dias de comercialização têm sido intensos e muito positivos.

“Está tudo ótimo e estamos satisfeitos com essa oportunidade de comercializar os nossos produtos aqui”, acrescentou ela.

A mesma opinião é compartilhada por Júlio Cesar Carvalho, também de Arroio Grande, que comercializa alimentos da agroindústria do queijo.

“É um público bastante exigente e estamos à altura dos pedidos deles. Estamos felizes em poder comercializar neste espaço”, destacou Carvalho.

Quem vai em busca dos produtos não sai arrependido da UFSM. E não é somente os alunos, os funcionários e os professores que vão até o Planetário adquirir os produtos, já que moradores de Camobi também se deslocam até o campus para comprar. É o caso da aposentada Eunice Alfonso, 77 anos. Moradora do bairro, ela vai todas as segundas e quintas buscar produtos fresquinhos e livre de agrotóxicos.

“É muito melhor vir aqui, mais perto. Sem contar que os produtos são de ótima qualidade, baratos e sem agrotóxicos”, salientou.

A estudante de artes visuais Emanuelli Cechin, 19, concorda e, sempre que possível, dá uma passadinha na Polifeira.

“É maravilhosa e uma ótima oportunidade para quem está aqui. Muito positiva a feira”, finalizou a estudante.

PARA LER A ÍNTEGRA, NO ORIGINAL, CLIQUE AQUI.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *