EM 1ª MÃO. E fez-se a paz no PDT santa-mariense. Saiba em que termos os grupos chegaram ao acordo

EM 1ª MÃO. E fez-se a paz no PDT santa-mariense. Saiba em que termos os grupos chegaram ao acordo

EM 1ª MÃO. E fez-se a paz no PDT santa-mariense. Saiba em que termos os grupos chegaram ao acordo - acordo-no-pdt

Os líderes do PDT santa-mariesnse que firmaram o acordo, na manhã de hoje: Vera, Luci, Ferraz, Cogo, Bisogno e Julio Bitencourt

Há algum tempo, as partes já conversavam. Pelo que apurou o editor, até mesmo a direção e as bancadas estadual e federal da sigla se envolveram. Tanto que sequer foi realizada a convenção municipal  prevista para o final de abril, para evitar que o PDT santa-mariense cristalizasse a divisão existente.

Pois bem, dois meses depois, fez-se a paz. Todos estão juntos em favor das candidaturas de Ciro Gomes à Presidência da República e Jairo Jorge, ex-prefeito de Canoas pelo PT, a Palácio Piratini. Mas, e como se deu o acordo enfim firmado, com uma foto sorridente, na manhã de hoje, no gabinete da vereadora Luci Duartes (Tia da Moto), no Palacete da Vale Machado?

Segundo o presidente Marcelo Bisogno, nas palavras dele, é “O PDT unido, fortalecido para o futuro. Estamos iniciando o projeto para as próximas eleiçoes”. Bueno, antes de 2020, o pleito municipal, há dois eventos imediatos. O primeiro é a convenção partidária. Diz Bisogno que até o final de junho estará consolidado o processo de unidade, com a definição de um Diretório consensual.

Também parece certo que o grupo de Rogério Ferraz e outros que chegaram do PT ou ainda ex-candidatos a vereador, indicarão ao menos dois, quem sabe três nomes da Executiva. O editor apurou ainda que Marcelo Bisogno deverá mesmo ser reeleito presidente, com Selvino Cogo de vice e Vera Lucena de secretária geral. Essas questões, que ainda podem receber outro rumo, também serão discutidas em reuniões próximas. Uma seria, inclusive, amanhã.

A segunda atividade próxima é o pleito de 2018. Afora o trabalho por Ciro e Jairo, há a questão das eleições proporcionais. E o PDT decidiu, meeeesmo, que não terá candidato a deputado por Santa Maria. E apoiará preferencialmente dois nomes para federal, Afonso Motta e Pompeo de Mattos. E um a estadual. No caso, a atual deputada Juliana Brizola.

Fez-se, então, a paz? Provavelmente, sim. Provavelmente.



2 comentários

  1. O Brando

    Para começo de conversa, não existe “ex-petista” da mesma forma que não existe “cura gay”. Vide Fortunati em POA.
    Candidatura Ciro Gomes também não é certa, pode ser vice na chapa do Lula ou pode até não concorrer, há rumores que desejaria o ministério da fazenda (o país está no buraco, mas pelo jeito é muito raso para eles). No mais, Brizola deve estar que um ventilador na cova de tanto que se revira.
    É bom lembrar um pouco de história. Pompeo de Mattos, o da abstenção no impeachment. Juliana Brizola é filha de João Vicente Brizola. Este último era PDT, brigou com o velho Leonel e foi parar no PT. Não foi sozinho, levou Dilma junto e mais alguns.

  2. Paulo

    O Marcelo de presidente por 2 anos vai afundar ainda mais o PDT de santa maria, e ainda sem candidatos na proporcional no ano que vem é o fim , é um vendilhão. Decidi , no PDT não voto em ninguem., alias hoje vi no facebook uma frase ” PDT, mais falso que as muambas do Paraguai “, bem cara do PDT.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *