Destaque

DISTRITOS. Moradores de São Valentim prepararam uma confraternização, mas só um vereador apareceu

Moradores da Colônia Conceição, em São Valentim, trouxeram pratos para compartilhar com os vereadores que participariam da reunião da Frente parlamentar em Defesa da Manutenção e Desenvolvimento do Interior, no fim da tarde dessa segunda-feira (16). Foto Maiquel Rosauro

Por Maiquel Rosauro

Pela primeira vez na história da Colônia Conceição, no interior do distrito de São Valentim, uma comitiva de vereadores visitaria a comunidade. Para receber os visitantes ilustres, cada família levou um prato e, no horário marcado, às 18h30min, o salão já estava lotado.

Após 45 minutos de espera, somente o vereador João Kaus (PMDB), que preside a Frente parlamentar em Defesa da Manutenção e Desenvolvimento do Interior, seguia no local. Apenas a vereadora Deili Silva (PTB) enviou assessores para o encontro dessa segunda-feira (16).

Além disso, nenhum secretário municipal marcou presença. Salvaram a pátria o assessor da Secretaria de Infraestrutura, Elton Chaves, e o subprefeito José Machado, que acompanharam todo o encontro.

A decepção pode ser vista no olhar dos moradores. No total, cerca de 50 pessoas participaram da reunião, a grande maioria idosos. Eles produziram cinco tipos diferentes de bolos (incluindo bolos de milho e chocolate), bolachas salgadas, biscoitos e outros quitutes que foram degustados em uma confraternização ao final do encontro com chá e café.

“É uma pena mais vereadores não terem aparecido, pois assim eles poderiam conhecer melhor nossos problemas. Hoje, quase não há jovens morando aqui porque não temos mais transporte. É impossível ir estudar ou trabalhar na cidade e voltar no fim da tarde”, avalia Tânia Santini Wegner, 62 anos, assessora do subprefeito.

Tania promove um abaixo assinado para que uma nova empresa assuma a concessão do transporte coletivo no distrito e ofereça viagens de ônibus diárias. Hoje, cerca de 29 famílias moram na Colônia Conceição, mas no distrito inteiro calcula-se que sejam cerca de mil moradores.

Outro problema é em relação às estradas. A via principal, hoje, não apresenta grandes obstáculos, mas os corredores (estradas vicinais) estão em situação precária e impedem que o transporte escolar chegue até algumas residências.

O presidente da Associação dos Moradores das Colônias Conceição e Toniolo, Clédio Meneghel Rossi, 62 anos, também reclama de um trator que foi entregue pela Prefeitura, há quatro anos, para ser usado nas propriedades.

Formaram a mesa do encontro (da esquerda à direita): João Kaus, vereador; Elton Chaves, assessor da Secretaria de Infraestrutura; Lucas Sacool Meyne chefe de gabinete da vereadora Deili Silva; e José Machado, subprefeito. Foto Maiquel Rosauro

“Nunca deram peças, só fizeram um levantamento do que estava estragado. O eixo central do trator já veio estragado. Ano passado ou retrasado, agora não lembro bem, veio uma emenda de R$ 50 mil do deputado que hoje é prefeito de Porto Alegre para compramos as peças. E cadê o dinheiro? Sou semianalfabeto, mas sei que quando vem uma emenda, ela é destinada para uma coisa específica. A gente reclama, mas ninguém quer nos ouvir”, afirmou o líder dos moradores.

Rossi também relata que pretende fechar a Associação, pois não tem como continuar realizando o trabalho sem o apoio da Prefeitura. Roçadeira, arado e disco são os principais equipamentos que o trator necessita.

Kaus disse que tomou nota de todas as reivindicações e ressaltou que irá atrás de respostas. Ele não quis entrar no mérito da ausência de seus colegas de parlamento, mas relatou que convidou todos os vereadores de forma oficial.

“Não vou deixar de fazer as reuniões porque esta é uma forma transparente de ouvirmos as comunidades”, disse o vereador.

Em novembro, o peemedebista pretende levar a comissão para um novo distrito. Já foram realizadas reuniões em Arroio do Só e Santa Flora.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

2 Comentários

  1. Tenho dúvidas se este tipo de reunião resulta em alguma coisa de proveito. Uma reportagem de jornal bem feita, ouvindo muitas pessoas, mostrando onde fica a localidade (maioria não conhece todo o município, para que lado fica Colônia Conceição?), mostrando fotos para ilustrar, não só divulgarias os problemas, registraria o estado das coisas para comparação futura. Deste jeito aí, pessoal do “governo” chega, muita falação, preenchem ums formulários e mandam para a prefeitura, tudo fica como está.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo