Destaque

ELEIÇÕES 2018. Opção por Alckmin e outro destino para Heinze levam a deserções (provisórias) no PP/SM

Progressistas protocolaram afastamento da sigla nessa segunda. Na foto, os dissidentes Edmar Mendonça, Beto Rossi, Marilene Ferreira, Janaína Flores, Mauro Bakof e Roberta Leitão. No canto direito, a secretária do PP/SM, Cristina Santana, recebeu os pedidos de licença

Por MAIQUEL ROSAURO (texto, foto e vídeo), da Equipe do Site

A retirada da candidatura do deputado federal Luis Carlos Heinze (PP) ao Palácio Piratini segue incendiando o Progressistas. Nessa segunda-feira (6), em Santa Maria, pelos menos seis membros do Diretório Municipal afastaram-se temporariamente do colegiado. Entre os dissidentes está o vice-presidente, Mauro Bakof.

“Não podemos aceitar esta rasteira que foi dada no deputado Heinze, foi uma traição total. Eu já vinha entristecido quando deram uma rasteira no vereador Vanderlei Araujo (AQUI) e chegou a um ponto que não tem condições (de continuar)”, avalia Bakof.

Em convenção realizada sábado (4), em Porto Alegre, o PP confirmou que Heinze será candidato ao Senado, enquanto que a senadora Ana Amélia Lemos (PP) concorrerá a vice-presidente da República na chapa encabeçada por Geraldo Alckmin (PSDB). No encontro, o PP garantiu o apoio a Eduardo Leite (PSDB) na corrida pelo Palácio Piratini.

Para conquistar o cargo de governador, Heinze havia construído uma aliança com PP, DEM, PROS e PSL. Seu vice seria o vereador de Gravataí, Evandro Soares (DEM). Além disso, a coligação serviria como palanque no Rio Grande do Sul para o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL), que concorre a presidente.

O afastamento dos membros do Diretório foi protocolado no gabinete de Araujo, junto à assessora Cristina Santana, que também é secretária da sigla. O licenciamento tem como prazo de validade o dia 1º de dezembro.

Além de Bakof, também oficializaram o afastamento a presidente municipal do movimento Mulher Progressista, Marilene Ferreira; as integrantes do Movimento Brasil Livre (MBL), Janaína Flores e Roberta Leitão; o procurador jurídico do partido, Edmar Mendonça; e o membro do movimento Resistência Popular-SM, Beto Rossi.

O site acompanhou o protocolo da documentação. Confira abaixo, em VÍDEO EXCLUSIVO, o que pensam os dissidentes do Diretório:

 

Em comum, eles garantem que não irão apoiar Leite para governador e nem Alckmin para presidente. São grandes as chances de fazerem campanha para Bolsonaro à presidência da República.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

4 Comentários

  1. Alckmin veio buscar lã e pode acabar tosquiado. Além disto daí o Rizoto de vice de Meirelles tira votos que iriam para o Picolé de Chuchu por causa da Ana Amélia. Briga de votos do Senado foram para a Presidência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo