Santa Maria

LUNETA ELETRÔNICA. Animais comunitários, ATASM, a vitória de Luci Duartes, Sérgio Cechin e Grupo dos 11

O encontro entre G11 e Sérgio Cechin começou tenso, mas terminou em clima de cordialidade. Foto Claudine Friedrich

Por Maiquel Rosauro

* O Legislativo santa-mariense instalou uma Comissão Especial para analisar o Projeto de Lei Complementar 8765/2018, de autoria do vereador Adelar Vargas – Bolinha (MDB), que visa tornar animais comunitários uma responsabilidade do poder público.

* Além de Bolinha, que será o presidente; a comissão também será formada por Jorge Trindade – Jorjão (REDE), vice-presidente; e Juliano Soares – Juba (PSDB), relator. Para saber mais sobre a proposta, clique AQUI.

* Rolou um toma lá, dá cá, na quinta (11), durante reunião da Comissão de Políticas Públicas do Legislativo, com a presença do presidente da Associação dos Taxistas de Santa Maria (ATASM), Volmar Arruda, e o advogado da associação, Miguel Passini.

* Passini disse que a ATASM não é recebida pelo prefeito Jorge Pozzobom (PSDB) e cobrou fiscalização contra os táxis clandestinos.

* Porém, havia um Pozzobom na comissão que não gostou nada do que ouviu. “Por que o senhor não resolveu a questão dos clandestinos quando estava no poder?”, rebateu Admar, lembrando que Passini atuou como secretário de Mobilidade Urbana no governo Schirmer.

* “O senhor tem que medir melhor suas palavras”, retrucou Passini.

* Na sexta (19), a ATASM pretende lançar um aplicativo apenas para os taxistas legalizados.

* A vereadora Luci Duartes – Tia da Moto (PDT) foi homenageada no Pátio Rural, no fim de semana, pelo prefeito, por ter se curado de um câncer de mama.

* Como promessa a parlamentar raspou a cabeça. Confira abaixo o depoimento da vereadora.

* O vice-prefeito Sérgio Cechin (PP) começa a semana com o moral elevado. Nesta segunda (15), ele assume a Secretaria de Infraestrutura durante as férias do titular da pasta, Paulo Roberto de Almeida Rosa.

* Na semana passada, ele foi ao Legislativo e acalmou os ânimos do Grupo dos 11. Os vereadores de oposição estavam furiosos com a postura do prefeito Jorge Pozzobom (PSDB), que não aceitou se reunir com todos os parlamentares para tratar sobre o empréstimo de R$ 78 milhões, mas recebeu seus aliados do G10 para tirar dúvidas.

* O interessante nesta história toda é que não era Cechin quem iria encarar o G11 na Câmara. Para a fogueira estavam escalados o controlador geral do Município, Alexandre Lima, e a procuradora geral, Rossana Boeira.

* Porém, o G11 exigiu a presença de Cechin, já que considera que Lima não tem habilidade para tratar com os parlamentares.

* Para fechar a Luneta: Nesta terça (16), às 11h, no Plenarinho, o G11 reúne a imprensa para tratar do empréstimo de R$ 78 milhões.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. Só em Santa Maria, querem estatizar até os animais ‘comunitários’. Na notícia ainda reclamam que um deputado conseguiu 100 mil de emendas para o bem estar animal e o dinheiro foi parar na saúde….humana.
    Não sei o motivo pelo qual Cechin ri segurando aquela folha. Na mesma o G11 pede praticamente tudo o que já pedia antes, ou seja, coisas para protelar a votação dos projetos. Pior, fica parecendo que os ‘parlamentares’ ficam escolhendo os interlocutores no executivo, seja porque é mais fácil ‘negociar’, seja porque é mais fácil enrolar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo