BASTIDORES. Planos do PSD e o desejo de Mortari, Bolsonaro e o vídeo e a sessão matinal no pré-feriado

BASTIDORES. Planos do PSD e o desejo de Mortari, Bolsonaro e o vídeo e a sessão matinal no pré-feriado

BASTIDORES. Planos do PSD e o desejo de Mortari, Bolsonaro e o vídeo e a sessão matinal no pré-feriado - maiquel-bastidores-mortari

PSD quer candidatos a prefeito em cidades com mais de 100 mil eleitores. Mas o puxador de votos em SM, Mortari, tem outros planos

Por MAIQUEL ROSAURO (com foto de Camila Porto Nascimento/AICV), da Equipe do Site

O Partido Social Democrático (PSD) definiu diretrizes para promover candidaturas majoritárias próprias no pleito de 2020. A resolução do partido determina que, nas capitais, nos municípios com mais de 100 mil eleitores e cidades com geradoras de televisão, as Convenções Municipais deverão lançar candidatos próprios a prefeito. E o partido ainda mandou um aviso: “eventuais exceções precisarão de autorização da direção nacional”.

Porém, embora Santa Maria tenha mais de 200 mil eleitores e geradoras de TV, a sigla dificilmente terá candidato a prefeito. O principal nome da legenda no município, o vereador Marion Mortari (PSD), está decidido a concorrer a vice-prefeito. Falta, porém, definir quem será o seu colega na chapa ao Executivo.

Encrenca à vista?

Independente de qual caminho pretenda seguir, o vereador tem uma pedra no sapato. Mortari concorreu à Assembleia Legislativa, ano passado, graças a um recurso, já que sua candidatura havia sido indeferida pelo Tribunal Superior Eleitoral (TRE-RS).

O Tribunal, em uma análise inicial, considerou o parlamentar inelegível até o dia 7 de outubro de 2020, uma vez que seu diploma de vereador foi cassado em 2014. À época, o TRE-RS considerou ilegal o fato de que uma das assessoras do edil facilitava agendamentos de consultas e encaminhamentos de exames em uma Unidade Básica de Saúde, a fim de favorecer Mortari no pleito de 2012. Por consequência, ele perdeu o mandato, foi sentenciado a pagar uma multa e teve os direitos políticos cassados.

O tempo passou e, em 2016, Mortari ingressou com um recurso especial e foi eleito vereador com 3.668 votos. Como não obteve êxito à Assembleia, em 2018, o partido resolveu não seguir adiante no processo que possibilitou sua participação no pleito. Na prática, o único revés é que ele jamais saberá quantos votos conquistou no município ano passado, uma vez que o TRE-RS não detalha os dados de quem concorreu com recurso.

E 2020?

Se já conseguiu concorrer duas vezes (e em uma delas até foi eleito), a assessoria do vereador entende que nada o impede de participar do próximo pleito. Da mesma forma, a militância do PSD também sabe que existe a possibilidade de o Ministério Público Eleitoral pedir o indeferimento da futura candidatura. Logo, qualquer passo de Mortari que terá que ser, juridicamente, bem calculado.

O curioso é que, teoricamente, ele estaria inelegível até o dia 7 de outubro de 2020, apenas cinco dias depois do primeiro turno das eleições.

Bolsonaro

Sexta-feira (12), na Igreja do Amaral, foi realizado um jantar em comemoração aos 100 dias do governo de Jair Bolsonaro (PSL). O evento contou com a presença do deputado estadual Luciano Zucco (PSL) e com um grande número de apoiadores do presidente da República. Abaixo, confira vídeo do evento divulgado na fanpage do PSL/SM:

 

Sessão matinal

Quem não gosta de um feriadão que reclame nos comentários… O fato é que os vereadores apreciam e a Mesa Diretora protocolou um Projeto de Resolução para antecipar a sessão da Quinta-Feira Santa (18) das 15h para as 9h. A proposta deverá ser apreciada (e, óbvio, aprovada) na sessão desta terça.



1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *