SEGURANÇA. Em menos de quatro meses, a quarta transexual é morta na região. Agora, em Dilermando

SEGURANÇA. Em menos de quatro meses, a quarta transexual é morta na região. Agora, em Dilermando

SEGURANÇA. Em menos de quatro meses, a quarta transexual é morta na região. Agora, em Dilermando - dilermando

Pequena visão de Dilermando de Aguiar, ex-distrito de Santa Maria, em cujo interior aconteceu o assassinato da transexual (foto Google)

Ainda faltam informações mais precisas, que virão, imagina-se, ao longo do dia. Mas o fato indesmentível é que, me menos de quatro meses, nada menos que quatro transexuais foram mortas na região.

Em 7 de setembro, separados por poucas horas, dois assassinatos vitimaram, na avenida Presidente Vargas, Carolline Dias, e, no Bairro Tancredo Neves, a “Mana”. Em 12 de dezembro, quem morreu, vítima de uma facada, foi Verônica Oliveira, a “mãe loura”.

Agora, o crime aconteceu no interior de Dilermando de Aguiar. A vítima, “Selena”. O autor? Espera-se que, como nos casos anteriores, a polícia civil desvende e prenda o autor.

Agora, ainda sem o nome dela, o caso desta madrugada, no ex-distrito de Santa Maria, 40 quilômetros, no relato do colega Renato Oliveira (Rádios Imembuí e Nativa e jornal Correio do Povo), publicado no FACEBOOK:

“Uma transexual de 37 anos morreu no Pronto de Atendimento da Cohab Tancredo Neves, municipio de Santa Maria depois de ser levada para o local por familiares.

A ocorrência foi atendida na localidade de Sarandi,interior do municipio de Dilermando de Aguiar que fica 40 k do municipio de Santa Maria.

Segundo registro policial, a transexual foi levada para o local como tivesse sofrido um mal súbito.No atendimento o médico de plantão constatou que a pessoa estava com perfurações de tiro no corpo.

O companheiro da vitima acabou prestando depoimento e informou que os tiros sairam de um carro que teria passando na rua.O homem de 57 anos ,companheiro da transexual, deverá prestar novo depoimento . Quando a Brigada Militar chegou ao local o homem tentava reanimar a transexual.”



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *