Destaque

VÍDEO NOTA. Por favor, não seja trouxa! Saiba como diferenciar a pesquisa “fake” de uma verdadeira

Pululam, sobretudo em grupos de whatsapp, levantamentos extravagantes

Por Claudemir Pereira

Quanto mais perto da eleição, a tentativa de burlar se amplia. E Santa Maria também tem seus “anjinhos” que espalham, sobretudo via whatsapp, pesquisas não compatíveis com a realidade. Ou com dados inverossímeis – para quem tem um mínimo de experiência. Mas engana incautos, que se encarregam (se a paixão for muito grande) de espalhar.

Bueno, isso é caso para a Justiça. Que ninguém imagine estar incógnito pela internet, porque NÃO está. Aqui, porém, a questão é outra. No caso, dar uma dica para, acima de paixões partidárias, saber quando a pesquisa é falsa. Para não se tornar um trouxa. Se, ainda assim, quiser acreditar no “levantamento”, é problema seu. O risco é a frustração certa no dia da eleição, sem ter ninguém para cobrar.

Como saber quando os dados não são verdadeiros? Confira o comentário, clicando abaixo:

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo