DestaquePaís

BRASIL. Com pandemia do novo coronavírus, o País bate recorde de óbitos ao longo do ano passado

14% mais de mortes, diz a Associação dos Registradores de Pessoas Naturais

Cemitério Público Nossa Senhora Aparecida, na capital do Amazonas, em 27 de abril de 2020 (Foto Alex Pazuello/Prefeitura de Manaus)

Reproduzido do Portal Congresso em Foco / Texto de Thaís Moura

Com mais de 270 mil mortos no país em decorrência da covid-19, o Brasil bateu recorde no número de óbitos em 2020. De acordo com a série histórica no Portal da Transparência do Registro Civil, o país perdeu quase 1,5 milhão de vidas de março de 2020 a fevereiro de 2021, um aumento de 13,7% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Divulgado nesta segunda-feira (15) pela Associação dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-Brasil), o número é o maior desde o início da série histórica, em 2003, e também representa um crescimento de 31% em relação à média histórica de mortes no país.

Ao total, foram registrados 1.498.910 óbitos em cartórios no “ano da pandemia”, 355.455 mortes a mais do que a média dos mesmos períodos desde 2003. Essa média histórica sempre esteve na casa de 1,7%, mas em 2020, cresceu 29,3 pontos percentuais. Na comparação em relação ao ano imediatamente anterior ao da pandemia, entre março de 2019 e fevereiro de 2020, o aumento foi de 13,7% no número de falecimentos.

Mortes por região

Os estados da região Norte registraram a maior diferença do último ano da pandemia em relação à média histórica dos anos anteriores. O Amazonas teve o maior crescimento, de 86,8%, seguido por Roraima (81,2%), Acre (51,8%) e Rondônia (44,6%).

Já no Sudeste, o Espírito Santo registrou aumento de 42,8%, seguido pelo Rio de Janeiro (39,9%), São Paulo (36,7%) e Minas Gerais (24,3%). Na região Sul, Santa Catarina teve o maior aumento, de 36,4%, e no Nordeste, o Maranhão foi o estado com maior crescimento percentual (33,3%).

Até o último domingo (14), o Brasil já registrava 278.229 mortes causadas pela covid-19. Só em 2020, foram cerca de 195 mil.

Fevereiro também é recordista

Os dados mostram ainda quefevereiro de 2021 foi o mês mais mortal da sua própria série histórica no país. Ao total, foram 119.335 óbitos registrados no mês passado, aumento de 28,1% em relação a média para o mês. Na comparação com fevereiro de 2020, as mortes aumentaram 28%.

Estados da região Norte também foram os que mais tiveram crescimento de mortes em fevereiro, em relação ao mesmo mês do ano anterior. O Amazonas teve aumento de 72,6%, seguido por Rondônia (56,9%), Acre (51,2%), Roraima (48,3%). Os óbitos em Santa Catarina, na região Sul, cresceram 36,9% no mês, e em, São Paulo, na região Sudeste, com 34,9%. Já no Mato Grosso do Sul, no Centro Oeste, os óbitos aumentaram 35% no mês. No Nordeste, a Bahia teve o maior aumento no número em fevereiro, com 19,7%.

O número de óbitos registrados nos meses de 2021 ainda pode  aumentar, já que os prazos para registros têm um intervalo de até 15 dias entre o falecimento e o lançamento do registro no Portal da Transparência. Alguns estados brasileiros também expandiram o prazo legal para comunicação de registros em razão da situação de emergência causada pela covid-19.

PARA LER A ÍNTEGRA, NO ORIGINAL, E ACESSAR OUTRAS NOTAS, CLIQUE AQUI.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo