DestaqueEstado

HACKERS. Tribunal de Justiça gaúcho comunica o retorno de “sistemas informatizados de uso interno”

Ataque cibernético que afetou serviços estão sendo restabelecidos aos poucos

Equipes técnicas do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul ainda prosseguem no trabalho de recuperação (foto Reprodução)

Da Redação do Correio do Povo / Com informações do Tribunal de Justiça do RS

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJRS) anunciou o retorno do funcionamento de sistemas informatizados que, embora de uso interno, possibilitam movimentações como consulta e carga de processos físicos e pré-cadastro para digitalização. Estão restaurados TJP, Themis 2G, Themis 1G Capital e ThemisAdmin. O trabalho para restabelecimento de todos os serviços prossegue e os que já foram recuperados estão disponíveis no site da instituição, que foi alvo de um ataque cibernético na semana passada. O acesso ao site do TJRS pode ser feito neste link.

Em um novo comunicado, o TJRS informa que o acesso remoto via Metaframe e VPN permanecem indisponíveis. “Entretanto, em Porto Alegre, equipamentos já revisados pelos técnicos do setor de informática do TJRS estão aptos para uso dentro das dependências do TJ. Da mesma forma, salas de audiência já revisadas podem utilizar o DRS (para gravação de audiências)”, explicou a instituição. “Gradativamente outros prédios estão sendo revisados e serão liberados”, assegurou.

Para o público externo, o TJRS citou os serviços disponíveis. “PPE (Portal do Processo Eletrônico): poderão ser protocoladas petições não urgentes, que serão processadas após o retorno à normalidade dos sistemas. Alvarás de Folha Corrida e outras certidões: o serviço on-line volta a ser oferecido no site do TJRS, fornecendo as informações registradas até a data em que passou a ocorrer a instabilidade dos sistemas”, destacou.

Conforme o TJRS, os sistemas de processo eletrônico eproc e PPE estão disponíveis, porém algumas comunicações externas ainda não foram restabelecidas, o que afeta os seguintes serviços: Diário da Justiça Eletrônico, envio de Cartas Ars, guias de custas e depósitos judiciais, expedição de alvarás eletrônicos, RPVs estaduais e ainda peticionamento com vinculação de processo originário físico de comarca do Interior.

“O Tribunal de Justiça reitera que as equipes técnicas seguem trabalhando de forma incessante para restabelecer a normalidade de forma breve. Todos os progressos obtidos, como já vêm ocorrendo, serão amplamente divulgados, com total transparência. Os serviços e sistemas operantes e os comunicados oficiais estão reunidos no site do TJRS”, conclui.

PARA LER A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. VPN, uma rede privada virtual, serviço prestado por certas empresas que ‘mascara’ a localização e os acessos dos usuários. Muitas ofertas por aí. Hackers conseguiram infiltrar algumas, ou seja, a raposa conseguiu a chave do galinheiro (ultima acho que foi a NordVPN em 2019). Resumo da ópera, não é questão de ‘se’ é questão de ‘quando’.
    Pessoal do jurídico (deve ter alguma Fake News por ai), mudando do saco para a mala, que fala do blockchain como se fosse uma lâmpada do Aladim sem limite de pedidos. Tem a ver com segurança de banco de dados, o que falam não tem pé nem cabeça.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo