Artigos

Pedaços que faltam – por Bianca Zasso

Sim, é drama. Que tem bons atores e um roteiro que… Enfim, é tudo com você!

Cada movimento que ocorre na nossa vida colabora para que façamos nosso trabalho de formas diferentes. Até as pequenas mudanças, sejam de hábitos ou de localização, se fazem presentes nas linhas que escrevemos, nas decisões que tomamos. Perceber essas mudanças traz esperança num mundo onde muitos querem que tudo continue onde está e, em alguns pontos, volte algumas casas nem um pouco saudosas nessa espécie de jogo que são os nossos dias.

Escrevo isso porque tenho certeza que se Pieces of woman, filme dirigido por Kornél Mundruczó e disponível na mais popular plataforma streaming do mundo, tivesse chegado até mim há alguns anos, a recepção teria sido bem diferente. A história tem como protagonista Martha, interpretada com precisão por Vanessa Kirby, uma mulher prestes a dar à luz ao primeiro filho. Já nos primeiros minutos de filme, notamos que a futura mãe está tensa.

Durante a compra de um carro maior para a família junto com o marido Sean (um inspirado Shia LaBeouf) fica visível que a chegada do rebento está mexendo com as emoções de Martha. Quem já teve um filho conhece bem essa sensação. O sorriso interminável no rosto das mães das propagandas de fraldas é a maior ficção já apresentada. Eis que surge o conflito do filme: o parto domiciliar tão planejado por Martha e Sean termina com a morte do bebê.

O roteiro então segue o processo de luto e redenção. O problema é que tanto um quanto o outro são retratados de uma forma caricata e com uma mão pesada no estereótipo da maternidade como salvação da alma de uma mulher. Os elementos da histórias são bons, como a crise com o marido, tão abalado e perdido quando a esposa, os embates com a mãe conservadora e a busca por prazer a qualquer custo para esquecer a dor. A fotografia e a montagem são extremamente bem construídas, em especial na longa cena do parto.

O problema de Pieces of woman é que Martha encontra redenção em seu papel de mãe sem um filho presente. Todas as cenas onde ela parece refletir sobre suas escolhas, inclusive a de ter um filho, parecem se esvair quando nos aproximamos do final.

Como o objetivo aqui não é dar spoilers para quem ainda não assistiu ao longa, que teve boa recepção no Festival de Berlim, deixamos no ar a dúvida: haveria a necessidade de uma cena final tão clichê em um filme que caminha bem na proposta de falar de perda? Será que o luto só se resolve com outro nascimento, seja ele simbólico ou não? Uma mulher só é “salva” de suas dores quando vive a maternidade?

Já estou preparada para as muitas críticas que esta minha crítica cinematográfica irá receber. Sei de espectadores que amaram o filme e se emocionaram com as escolhas da roteirista Kata Wéber. E compreendo toda essa emoção. Cada cena é pensada para terminar com lágrimas na plateia. Porém, convido à uma revisão. As ótimas atuações de Vanessa Kirby, Labeouf e a veterana Ellen Burstyn são inegáveis, assim como o primor técnico. Será que não valeria a pena investir numa trama que apresentasse uma nova possibilidade? A maternidade de Martha era realmente um desejo dela ou era o mundo que fazia de tudo para que ela procurasse ser mãe em algum momento? Clichês têm o seu valor, mas aqui cabia um sopro de inovação.

E informo que eu posso mudar de opinião sobre o filme. Novos movimentos virão. A maternidade me tornou uma crítica com grandes ressalvas a Pieces of woman. O que ser pai ou mãe fez com você? Pra pensar no final de semana, caros amigos.

Pieces of Woman

Ano: 2020

Direção: Kornél Mundruczó

Disponível na plataforma Netflix

(*) Bianca Zasso, nascida em 1987, em Santa Maria, é jornalista e especialista em cinema pelo Centro Universitário Franciscano (UNIFRA). Cinéfila desde a infância, começou a atuar na pesquisa em 2009. Suas opiniões e críticas exclusivas estão disponíveis às quintas-feiras – nesta semana excepcionalmente à sexta.

Observação do editoras fotos que ilustram este texto são de Divulgação.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo