DestaqueEducação

VOLTA ÀS AULAS. Sem acordo no Poder Judiciário, lideranças de professores já avaliam convocar greve

Encontro em Porto Alegre não resolveu o impasse. Nova reunião ocorre quarta

Governo Leite autorizou a volta às aulas presenciais após mudar critérios do modelo de bandeiras no RS (Foto Alex Rocha/Prefeitura Poa)

Reproduzido do jornal eletrônico SUL21 / Reportagem de Luciano Velleda

Depois de quase 5h de duração, terminou sem acordo a primeira sessão de mediação sobre a volta às aulas no Rio Grande do Sul, realizada nesta segunda-feira (3), no Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania de Porto Alegre (CEJUSC-POA).

A mediação foi proposta na última sexta-feira (30) após entidades de professores acusarem o governo de Eduardo Leite (PSDB) de manobrar para descumprir a decisão judicial que, desde fevereiro, impedia a retomada das aulas presenciais no RS enquanto durasse a bandeira preta no Modelo de Distanciamento Controlado para o enfrentamento da covid-19. 

Após sucessivas derrotas, o governador decidiu semana passada mudar os critérios do modelo e, com isso, passou todo o  Estado para bandeira vermelha, autorizando assim à volta as aulas para todos os níveis de ensino na rede pública e privada. 

“O governo se mostrou irredutível e não apresentou nenhuma proposta”, afirmou Helenir Aguiar, presidente do Centro Professores do Estado Rio Grande Sul (Cpers). Por sua vez, a entidade defendeu a suspensão das aulas, a vacinação dos professores, testagem em massa nas escolas, revisão nos protocolos sanitários e a entrega de equipamentos de proteção de boa qualidade para os educadores, funcionários de escola e alunos. “O governo nos entregou um material de péssima qualidade e que não vai proteger nossos alunos”, destacou Helenir, em entrevista coletiva. 

A diretora de Comunicação do Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (Simpa), Cindi Sandri, disse que a expectativa com a mediação já não era alta. E explicou que o impasse deve-se à negativa do governo estadual de suspender as aulas para começar a negociação. Para as entidades representativas dos professores que participaram da tentativa de mediação, a suspensão é necessária porque o processo de negociação tende a ser longo e, enquanto isso, profissionais, alunos e familiares já estão correndo risco de contaminação.

“Não há nenhuma alteração positiva no cenário da pandemia no estado desde quando houve a suspensão das aulas presenciais”, afirmou Cindi, enfatizando que os educadores  também querem o retorno das aulas, mas quando as condições da contaminação estiverem controladas, o que ainda não acontece. “Foi uma decepção a intransigência do governos estadual e municipal.”

A presidente da Associação de Mães e Pais pela Democracia (MPD), Aline Kerber, criticou o discurso do governo estadual de “vai à aula quem quer” e disse que a educação no RS está refém de governantes que não querem negociar e desprezam os professores. “Não se aprende em contexto de medo. Os professores estão com medo, os alunos estão com medo, as mães estão com medo. Essa escola é para quem?”

A AMPD é uma das entidades autoras do pedido de suspensão das aulas durante a vigência da bandeira preta, acatado pela Justiça em fevereiro e mantida até a mudança de critérios feita pelo governador Leite na semana passada. “Não vamos negociar vidas”, enfatizou Aline.

Possibilidade de greve

Os professores estaduais e da Capital se reúnem ainda … para debater a situação. Diante do impasse, a possibilidade de greve deve ser discutida em ambas as assembleias.  “Com certeza uma das alternativas é começar o movimento grevista, diante da posição irresponsável do governo do Estado”, afirmou a diretora de Comunicação do Simpa, Cindi Sandri. O mesmo tom foi adotado pela presidente do Cpers, Helenir Aguiar. “Não está descartada a possibilidade de greve. A categoria é soberana para decidir quais rumos vamos tomar”, declarou.

O Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania de Porto Alegre (CEJUSC-POA) marcou outra reunião de conciliação para quarta-feira (5). No encontro de hoje (segunda), estiveram presentes a secretária estadual da Saúde, Arita Bergmann, a secretária estadual de Educação, Educação Raquel Teixeira, e o Procurador-Geral do Estado, Eduardo Cunha da Costa. O governador Eduardo Leite não participou. Pela Prefeitura de Porto Alegre, participaram o prefeito, Sebastião Melo, e a secretária Municipal de Educação, Janaina Aldino.

PARA LER A ÍNTEGRA, NO ORIGINAL, CLIQUE AQUI.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo