DestaqueSanta Maria

CÂMARA. Rudys diz sofrer intimidação, mas avisa: não revelará quem frequentava a sua casa noturna!

Parlamentar emedebista fala que é ”ridícula” a situação que vem enfrentando

“Eu não precisava estar sentado nesta cadeira, porque, como dono de uma casa noturna, eu ganho muito mais que um vereador, muito mais”, disse o parlamentar Rudinei Rodrigues – Rudys, do MDB (Foto Gabriela Neto/Câmara)

Por Maiquel Rosauro

O vereador Rudinei Rodrigues – Rudys (MDB) fez um desabafo na sessão plenária desta quinta-feira (8). O parlamentar afirmou que sofre intimidação por ser dono de uma casa noturna, mas que jamais divulgaria no Parlamento quem frequentou seu estabelecimento.

As declarações do vereador ocorreram em meio a um discurso na tribuna, no tempo de comunicação de liderança do MDB. Ele disse que precisava dar um recado e salientou que seus eleitores sabiam que ele é gay e dono de uma casa noturna. Também destacou que não tem nada a esconder.

“Àquelas pessoas que ficam me intimidando, me filmando no meu dia a dia lá fora, pessoas que trabalham para o governo, que tentam me intimidar porque trabalho em uma casa noturna, vamos parar por aqui porque não vou vir aqui numa tribuna fazer fiasco e dizer quem frequentou ou frequentava minha casa. Fui eleito para ser vereador, para trabalhar pelo povo”, disse o vereador.

Rudys relatou que não é corrupto e nem ladrão, além de possuir ficha limpa. Afirmou que se preocupa em dar alimento às mulheres que atuam na noite.

“Chega de me intimidar porque não vou aceitar, independente de quem for, seja vereador ou vereadora, está sendo ridículo o que estou passando”, afirmou.

O emedebista cobrou mais empatia do governo de Jorge Pozzobom (PSDB), sobretudo, em relação aos músicos que estão proibidos de trabalhar em razão dos protocolos contra proliferação do covid-19.

O parlamentar ainda disse que cada vereador deveria cuidar de seu próprio mandato e reforçou que não aceitará mais intimidação. Também disse que, caso a situação continue, prefere renunciar ao cargo.

“Eu não precisava estar sentado nesta cadeira, porque como dono de uma casa noturna, eu ganho muito mais que um vereador, muito mais. E eu não preciso do dinheiro do vereador, tanto que eu não peguei nada que um vereador poderia ter de regalos”, disse o parlamentar.

Os vereadores de Santa Maria têm salário de R$ 10.297,64. Os regalos que Rudys se refere são as cotas parlamentares que ele abriu mão, como selos, combustível e telefonia móvel.

Preconceito

O fato de ser dono de uma casa noturna já foi alvo durante a campanha eleitoral, ano passado. Uma de suas peças publicitárias foi adulterada e compartilhada nas redes sociais como forma de zombar da situação, o que provocou inúmeros comentários com xingamentos.

Na ocasião, o próprio candidato expôs a situação e a CLASSIFICOU como hipocrisia.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. Me solidarizo a ti, nobre vereador, nenhum indivíduo deveria ter sua vida privada fustigada pelos olhos do preconceito e da intolerância. Vês? Sofrem aqueles que tem sua liberdade cerceada por uma sociedade “hipócrita”. Eu sei, eu sinto a mesma coisa quando vejo a minha liberdade de exercer a democracia, de forma autônoma, na UFSM sendo oprimida por interferências judiciais encabeçadas por quem é alheio ao processo. Posso estar errado, mas é o que sinto hoje.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo