EstadoSegurança

TRAGÉDIA. Segurança contra incêndios: “já passou da hora”, declara o Sindicato dos Engenheiros do RS

Sinistro no prédio da Secretaria de Segurança poderia ser evitado, diz SENGE-RS

Equipes do Corpo de Bombeiros no combate às chamas no prédio da Secretaria de Segurança (Foto Felipe Dalla Valle/Palácio Piratini)

Por Sindicato dos Engenheiros do Rio Grande do Sul (SENGE-RS) (*)

O incêndio que se abateu sobre o prédio da Secretaria de Segurança Pública do RS gerou imagens dramáticas que afetaram todos os gaúchos e, claro, as famílias das possíveis vítimas (**) e o Corpo de Bombeiros. Muito embora as causas do sinistro ainda estejam sendo investigadas, é impossível não lamentar um outro lado também perverso da realidade, no qual o centro operacional da segurança em nosso Estado tenha se demonstrado tão inseguro.

Partindo desta constatação, podemos indagar: se a segurança contra incêndio naquele edifício era tão frágil, não obstante a existência de um PPCI, o que devemos fazer como sociedade para evitar novos e lamentáveis acontecimentos, considerando a existência de milhares locais públicos e privados de grande circulação?

É impossível exigir que o poder público mantenha suas instalações 100% seguras e atualizadas tecnologicamente. O trabalho do Corpo de Bombeiros Militar é exemplar em todos os sentidos. Mas por outro lado, temos a cada dia novos materiais e novas tecnologias que ampliam a segurança e a vida útil das construções. Já passamos da hora de resolver isso com investimentos e com Engenharia.

Quando nos deparamos com incêndio da magnitude como o dessa semana no edifício da SSP/RS, nos desperta lembranças e as tantas inquietações que provocaram tantos debates nos últimos anos. Incêndios como o da Boate Kiss, da sede da EMATER, do Mercado Público de Porto Alegre, do Museu Nacional, do Ninho do Urubu, do edifício Wilton Paes de Almeida e do Museu da Língua Portuguesa no mínimo nos remetem a importantes reflexões: como está a segurança da sociedade? O que a Engenharia pode contribuir para mudar esse cenário? E a principal pergunta, estaria a sociedade gaúcha vivendo sob uma falsa segurança contra incêndio?

O Sindicato dos Engenheiros se dedica há anos ao tema da segurança contra incêndios, tendo se consolidado como protagonista e referência na abordagem e no equacionamento de soluções. Realizamos importantes eventos técnicos, participamos do COESPPCI, contribuímos de forma técnica para a elaboração das leis e regulamentações que vieram na sequência da tragédia de Santa Maria. Da mesma forma, protocolamos recentemente junto à Presidência da Assembleia Legislativa UM IMPORTANTE ESTUDO no qual propusemos alternativas e apresentamos todos os pontos de fragilidade constantes em projetos de lei que tentam constantemente flexibilizar e descontruir a Lei Kiss. Mas por outro lado temos grandes avanços na estruturação da política de segurança contra incêndios no RS, como por exemplo: separação do Corpo de Bombeiros Militar da Brigada Militar, estruturação de quarteis, reposição de equipes.

No caso específico do incêndio na SSP, podemos afirmar que o sinistro, assim como tantos outros, poderia ser evitado. Todo o incêndio dessa magnitude é precedido de um conjunto de falhas. Daí a importância do trabalho das perícias que trarão elementos fundamentais ao aperfeiçoamento da gestão da segurança contra incêndios no RS. Nem tudo está errado. O que precisamos é olhar para o futuro e discutirmos ainda mais as melhorias, sem atacar nem precarizar os avanços e os modernos conceitos hoje já presentes na Lei Kiss desde 2013.

Poderíamos estar aqui rivalizando com as medidas políticas definidas no passado em diversas esferas, mas entendemos que precisamos olhar para o futuro. Engenheiros e arquitetos estão diretamente envolvidos em todos os processos, inclusive nesse episódio da SMP. Estendemos nosso apoio e solidariedade a todos os envolvidos. Precisamos novamente abrir o debate sobre o que podemos aperfeiçoar em nosso modelo de gestão de segurança contra incêndios. O Senge já apresentou diversas propostas de forma reiterada, que obrigatoriamente serem consideradas, entre elas:

1) Elaboração de Plano Estadual de Segurança Contra Incêndio e Emergências, com indicadores, planejamento estratégico de atuação, avaliação de riscos nos bairros e centros urbanos e planejamento técnico para prevenção e emergências (carta de riscos).

2) Quadro Técnico de Especialistas (engenheiros e arquitetos) no Corpo de Bombeiros Militar do RS.

3) Quadro Técnico de Especialistas (engenheiros e arquitetos) no governo do estado do RS para gestão da área própria de SCI nos prédios públicos, e administração da implantação e manutenção das medidas exigidas para regularização dos mesmos junto ao Corpo de Bombeiros.

4) Oportunizar a elaboração de projetos especiais, indo além de medidas prescritivas, com base na engenharia e arquitetura, com conceitos de desempenho, com análise rigorosa por equipe técnica de especialistas junto ao Corpo de Bombeiros.

5) Discutir o auto licenciamento de PPCIs, que hoje, de certa forma, ocorre no RS com a participação de leigos.

6) Ampliar a discussão de leis municipais sobre Inspeção Predial para nível estadual, com a integração com as leis de segurança contra incêndios, por serem multidisciplinares.

As lições que aprendemos com o incêndio na Secretaria de Segurança deverão ser suficientes para que a segurança contra incêndio se transforme definitivamente numa pauta prioritária em nossa sociedade, que sirva ao menos para que conservação, manutenção predial e segurança contra incêndios sejam temas enraizados na cultura do gaúcho.  Estamos a postos para o amplo debate e que a partir de um modelo colaborativo e técnico possamos vencer esse trágico episódio e construir melhorias.

(*) Nota do Sindicato dos Engenheiros do Rio Grande do Sul (SENGE-RS), publicada originalmente no jornal eletrônico SUL21 (AQUI)

(**) No momento em que essa nota era originalmente publicada ainda não haviam sido ENCONTRADOS os corpos dos dois bombeiros militares que morreram no incêndio do prédio da SSP.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo