DestaqueEstado

ESTADO. Deputados aprovam: ‘Hino da Legalidade’ é a música símbolo da Resistência Democrática do RS

Projeto de lei é do deputado Valdeci Oliveira e foi subscrito por Juliana Brizola

Projeto de Valdeci (subscrito por Juliana) recebeu 44 votos favoráveis e teve dois contrários (foto Divulgação/Agência ALRS)

Por Claiton Stumpf e Marcelo Antunes / Da Assessoria de Imprensa

Com 44 votos favoráveis e dois contrários, foi aprovado, nesta terça-feira (21), na Assembleia Legislativa, o projeto de lei 39/2016, que declara o Hino da Legalidade como Música Símbolo da Resistência Democrática do Rio Grande do Sul.

O PL é de autoria do deputado estadual Valdeci Oliveira e também é subscrito pela deputada Juliana Brizola, neta do ex-governador Leonel Brizola, líder do Movimento da Legalidade, que recentemente completou 60 anos. “O objetivo dessa iniciativa é prestar um justo reconhecimento aos autores da canção, a Lara de Lemos e o Paulo César Pereio, e a todos aqueles que, em 1961, por meio deste Movimento lutaram corajosamente pela democracia em nosso país. A maior parte dos gaúchos e gaúchas, tenho certeza, tem muito orgulho do que representou a Legalidade, que simbolizou um dos momentos políticos mais importantes do Século 20 no Brasil”, afirmou Valdeci.

História

O Movimento da Legalidade foi idealizado e liderado pelo então governador Leonel de Moura Brizola para, com a renúncia de Jânio Quadros, defender a Constituição e assegurar a posse do vice-presidente João Goulart, o Jango, na presidência da República.
Iniciado em 27 de agosto daquele ano, com pronunciamentos de Brizola transmitidos pela Cadeia Nacional da Legalidade, liderada pela Rádio Guaíba e integrada por 114 rádios, o movimento saiu-se vitorioso em 1º de setembro, quando foi anunciado em rede nacional que Jango ocuparia, de fato, a cadeira presidencial.

Autoria
A autora da letra do Hino da Legalidade foi a gaúcha Lara de Lemos (Porto Alegre, 22/6/1923 – 12/10/2010), poetisa, jornalista, tradutora, educadora e militante política. Após o golpe de 1964, Lara foi perseguida, teve familiares presos e não pode mais exercer o jornalismo. O compositor da música foi o ator gaúcho Paulo César Pereio. Militante de esquerda, Pereio diz que pegou o poema de Lara e improvisou uma melodia.

“Fomos para o estúdio e no mesmo dia já estava pronto”, diz ele, ressaltando que em seguida Brizola pediu que o hino fosse multiplicado. A partir daí, a música passou a abrir todas as transmissões da cadeia de rádios formada pelo então governador a partir de uma emissora que funcionava no porão do próprio Palácio Piratini, convocando o povo a resistir às manobras contra a posse de Jango.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. Hinos que só os vermelhinhos irão cantar. Por isto que Valdeci tem que se aposentar e dar lugar para alguem que faça algo produtivo no parlamento e que tenha fundamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo