DestaqueSanta Maria

CÂMARA. Infectologista diz que não é racional o fim do distanciamento social praticado no Legislativo

Mesa Diretora tomou decisão política para aumentar público nas galerias

Vereador Valdir Oliveira promoveu a live com a infectologista Jane Costa na noite deste domingo (5). Foto Reprodução

Por Maiquel Rosauro

A decisão da Mesa Diretora do Legislativo de Santa Maria, de dar fim ao distanciamento social no Parlamento, não encontrou eco na infectologista Jane Costa. Na noite deste domingo (5), a médica participou de uma live com o vereador Valdir Oliveira (PT) sobre como agir diante de novas variantes da covid-19 e falou sobre o tema.

A transmissão, realizada via fanpage do petista, durou pouco mais de uma hora. Lá pela metade da live, este repórter encaminhou o seguinte questionamento: “Na Câmara de Vereadores, na última quinta-feira, foi encerrado o distanciamento social. Agora, nas galerias, o público pode se sentar onde bem entender, um ao lado do outro, desde que use máscara. O que a senhora acha desta nova postura? É um sinal de que tudo está voltando ao normal?”.

Jane disse que a pergunta a colocava em uma saia justa, mas não fugiu da questão. A médica afirmou que o distanciamento social é eficiente para conter o covid-19 e que a prática deveria continuar.

“Pode diminuir o distanciamento, ao invés de dois metros, um metro e meio ou um metro. Se as pessoas estiverem de máscara, um metro é o suficiente, mas não um sentado ao lado do outro”, afirmou Jane.

A médica também disse que é preciso ter racionalidade, sobretudo, agora com o aparecimento da variante ômicron, que parece ser mais transmissível.  

“Por que que vamos abrir mão de medidas que são eficazes em detrimento de outras que não são eficazes? Isso não é racional. O que evita todas as variantes: distanciamento social, um metro com máscara, ponto”, disse Jane.

Sem restrições de distanciamento, público pode usar todos os assentos disponíveis nas galerias da Câmara, na quinta (2). Foto Câmara/Divulgação

O fim do distanciamento social na Câmara foi uma decisão política, tomada às pressas pela Mesa Diretora pouco antes de iniciar a sessão de quinta-feira (2). O objetivo era fazer com que um grande público pudesse acompanhar a votação de projeto do vereador Alexandre Vargas (Republicanos) que torna as igrejas essenciais em Santa Maria, proibindo assim o fechamento dos templos durante a pandemia.

A decisão da Mesa Diretora vai na direção contrária ao Decreto Estadual 56.199, de 18 de novembro de 2021, que recomenda o distanciamento social.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. O misterioso vírus está longe de ser extinto e já vitimou mais de 600 mil pessoas no país. Em um lugar onde vereadores e diversos funcionários foram infectados, a doutora Jane falou duas palavras que parecem faltar ao dicionário e procedimentos dos nobres edis: Racional e Racionalidade. Só.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo