Câmara de VereadoresDestaque

CÂMARA. Vereadores contrários ao trabalho remoto realizam protesto em frente ao Poder Legislativo

Presidente da Câmara, Valdir Oliveira, convoca entrevista coletiva

Parlamentares improvisaram gabinetes em frente à sede do Poder Legislativo. Foto Bruno Tech / Assessor do vereador Tony Oliveira

Por Maiquel Rosauro

A calçada em frente à Câmara de Vereadores de Santa Maria serviu de gabinete para os parlamentares contrários ao trabalho remoto até o dia 21 de janeiro. Foram instaladas mesas e cadeiras para atender o público. O presidente da Casa, Valdir Oliveira (PT), responsável pela implantação do sistema de home office a fim de evitar a proliferação do covid-19 no Parlamento, convocou uma coletiva de imprensa.

Entre os parlamentares que participaram do ato, na manhã desta segunda-feira (10), estava o ex-presidente João Ricardo Vargas (PP). Ele afirmou que não discute a legalidade da medida tomada por Valdir e que respeitará a decisão. Porém, destacou que a atitude do petista gera prejuízo à comunidade.

“O vereador precisa da estrutura da Casa para conseguir alguns encaminhamentos que são importantíssimos para o Executivo. A comunidade não está conseguindo cobrar, através do seu vereador, esses aspectos primordiais do Executivo”, explicou Vargas em live em frente ao Parlamento.

O vereador Tony Oliveira (PSL) destacou que é impossível atender a população atuando em sistema de home office.

“Eu fui eleito para trabalhar para o povo, o presidente diz para os vereadores ficarem em casa. Como o povo vai ser atendido em home office? Isso para mim não tem sentido, é um absurdo”, disse Tony.

A vereadora Roberta Pereira Leitão (PP) destacou que todos os outros setores tanto da economia quanto da saúde estão atuando em ritmo normal, menos o Poder Legislativo. Ela questiona se não seria mais eficiente isolar os três servidores que testaram positivo para covid-19.

“Para levar para o poder Executivo todas as demandas que chegam até nós, eu preciso que uma folha seja impressa, assinada e levada fisicamente ao Poder Executivo. E isso não vai acontecer nos próximos 14 dias. Nossos assessores não podem entrar na Casa Legislativa, com exceção de uma permissão especial do secretário executivo. Eu, que sou vereadora, posso entrar, mas o que adianta eu entrar sozinha na Câmara se a Casa está fechada e não tem servidor para trabalhar?”, questionou Roberta.

Paulo Ricardo Pedroso (PSB) também produziu uma live, onde registrou um bate-papo com outros vereadores e até caminhou por parte da Rua Vale Machado para mostrar que o comércio segue atuando em caráter normal, menos o Parlamento de Santa Maria.

“Temos que nos cuidar, realmente, mas trabalhar ao mesmo tempo”, afirmou o parlamentar.

Ainda na manhã desta quarta, a Diretoria de Comunicação do Parlamento convocou a imprensa para uma entrevista coletiva. Valdir aguarda os jornalistas no Plenário, às 16h, nesta segunda-feira (10).

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo