Artigos

“Ouvido de sismógrafo” do repórter e as verdades e mentiras nas eleições – por Carlos Wagner

A árdua tarefa dos profissionais de jornalismo diante do pleito deste ano

Saber ouvir o que vem por aí é importante para o repórter proteger a qualidade do seu trabalho (Foto Reprodução)

Está clara a estratégia dos organizadores da campanha à reeleição do presidente Jair Bolsonaro (PL) para reverter a preferência nas pesquisas do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT-SP). Vão colocar gente sua nos comícios públicos de Lula para chamá-lo de corrupto e ladrão.

Infiltrar pessoas no comício de adversários políticos durante a campanha é uma prática antiga que acontece nas melhores e mais sólidas democracias do mundo. Então, qual é a novidade? É aquilo que os antigos editores das redações dos tempos das máquinas de escrever chamavam de “pano de fundo”.

As eleições desse ano vão acontecer em um ambiente que combina uma série de crises, citando apenas as duas maiores: a da economia, com desemprego, inflação e centenas de famílias passando fome. E a da saúde pública, provocada pela negligência do governo federal no combate à pandemia da Covid-19, como contam as 1,3 mil páginas do relatório da Comissão Parlamentar de Inquérito da Covid-19 do Senado, a CPI da Covid.

É sobre isso que vamos conversar, a soma de todas as crises e a disputa eleitoral.

Vamos aos fatos. Tenho dito nas minhas conversas com os colegas das redações do interior do Brasil e estudantes de jornalismo que o ouvido do repórter precisa funcionar como se fosse um sismógrafo, aparelho que detecta terremotos.

Nos últimos três meses tenho dedicado uma parte importante do meu tempo a assistir os canais de TV, ouvir as emissoras de rádio e ler os jornais e sites que se perfilaram ao lado do presidente Bolsonaro, defendendo as teses bolsonaristas. Não vou citá-los porque considero um direito deles, inclusive assegurado pela Constituição, de defender quem eles bem entendem, respeitando a legislação. Mas vou falar no atacado.

Os comentaristas políticos desses veículos acreditam que vão chamar Lula de ladrão e corrupto nos comícios e ninguém vai reagir. Evidente que vai ter reação. E se tiver reação e a coisa descambar para a pancadaria? Não acredito, porque o país tem leis e gente que cuidam delas para manter a disputa política dentro da normalidade.

Acrescento que, ao contrário do que aconteceu em 2013, quando um levante popular levou milhares de pessoas às ruas de 500 cidades brasileiras reivindicando uma pauta difusa, hoje os brasileiros sabem exatamente o que querem no futuro próximo do país: emprego, vacina contra a Covid e tranquilidade para tocar a vida.

As eleições não envolvem só Lula e Bolsonaro. Há vários outros candidatos, como Ciro Gomes (PDT-CE), João Doria (PSDB-SP) e Sergio Moro (Podemos-PR). Isso significa que há muitos interesses políticos, econômicos e sociais em jogo.

Em uma conversa que tive com um velho e experiente comentarista político de São Paulo, ele me alertou que só com o andar da campanha as coisas começarão a se definir. E o que nós publicarmos agora definirá como será o jogo da disputa eleitoral. Daí a importância da atenção do repórter envolvido na cobertura do dia a dia em ter clareza em diferenciar o fato da opinião.

Alerto o seguinte. Na maioria das vezes uma argumentação cheia de citações de fontes, números e outros recursos não significa que seja um fato. Mesmo que tenha saído da boca de uma autoridade.

Lembro o seguinte. Em anos eleitorais, faz parte da estratégia de quem está no poder colocar ministros à disposição das rádios, TVs, jornais e sites do interior do Brasil para falar sobre o andamento da sua pasta. Já trabalhei no interior. Sempre que se tem acesso a uma autoridade, o que ela diz é manchete de capa do noticiário.

Seja lá o que for que virá por aí na campanha eleitoral, o certo é que nós jornalistas teremos a grande chance de testemunhar e registrar um dos momentos importantes da história do Brasil. Como já disse. Não é mais uma eleição. É uma disputa política que acontecerá tendo como pano de fundo a soma de todas as crises brasileiras. Não é pouca coisa.

Para os repórteres novatos eu lembro que mesmo em tempos normais a cobertura eleitoral dificilmente é simples. Na maioria das vezes é complexa devido o volume de interesses em jogo. Dentro desse contexto, a melhor maneira do repórter proteger a qualidade do seu trabalho é se manter bem informado para não escrever bobagens.

E a maneira de fazer isso é escrever de maneira simples, clara e revisar o texto para ter certeza que não deixou nenhuma porta aberta para interpretações malucas sobre o que foi escrito. O nosso trabalho vai ser facilitado porque já existe funcionando no Brasil um bom e qualificado número de agências de verificação dos fatos.

Essas agências evitam os erros grosseiros. Agora, não há quem salve a desatenção do repórter durante a apuração do fato. Essa desatenção é uma porta de entrada das fake news para as páginas do noticiário. Vou deixar claro que estou falando da desatenção causada pelo excesso de trabalho do jornalista. Não estou falando da sacanagem. Até porque ela é um caso de polícia e não vem ao caso misturar as coisas.

Estou falando para os colegas que praticam o velho e bom jornalismo. Ele tem lá as suas imperfeições, como me atirou na cara um dia desses um velho caminhoneiro aposentado. Mas ele foi, é e continuará sendo a bússola da civilização.

Tenho muitos prêmios de jornalismo. Mas o maior deles é ter uma reportagem citada por um cientista ou historiador que está envolvido na pesquisa dos fatos de uma época. Nessas ocasiões, ter um “ouvido de sismógrafo” é importante para o repórter ter uma ideia das entranhas do fato.

PARA LER A ÍNTEGRA, NO ORIGINAL, CLIQUE AQUI.

(*) O texto acima, reproduzido com autorização do autor, foi publicado originalmente no blog “Histórias Mal Contadas”, do jornalista Carlos Wagner.

SOBRE O AUTOR:  Carlos Wagner é repórter, graduado em Comunicação Social – habilitação em Jornalismo, pela UFRGS. Trabalhou como repórter investigativo no jornal Zero Hora de 1983 a 2014. Recebeu 38 prêmios de Jornalismo, entre eles, sete Prêmios Esso regionais. Tem 17 livros publicados, como “País Bandido”. Aos 67 anos, foi homenageado no 12º encontro da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (ABRAJI), em 2017, SP.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. Não é necessário ir em comicio para chamar Molusco com L. de corrupto e ladrão. Não precisa nem ser cavalista. Alás, autor, como todo jornalista, acha que sabe ‘o que o povú quer’. Ao menos o que acha que o povú deveria querer. Que é exatamente o que o Molusco com L, o honesto, vai prometer. Alás, como cantava Cazuza ‘Eu vejo o futuro repetir o passado Eu vejo um museu de grandes novidades’. Alás, como dizia o Corvo ‘”Não pode ser candidato.Se for,não pode ser eleito.Se eleito,não pode tomar posse.Se tomar posse,não pode governar.’ Alás, beirando os 77 anos a torcida é pelo ceifador. Dória e Ciro já dançaram, Cavalão idem. Moro, o encarcerador de ladrões e corruptos, é a aposta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo