BrasilDestaqueJudiciário

JUSTIÇA. Desembargador gaúcho, Francisco Rossal de Araújo, concorre a vaga de ministro do TST

Vaga em aberto tem como origem aposentadoria do ministro Alberto Bresciani

Francisco Rossal de Araújo é natural de Alegrete. Ele é o atual presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT-RS). Foto Secom/TRT-RS

Gabriel Borges Fortes / Assessor de Imprensa do TRT-RS

O desembargador Francisco Rossal de Araújo, atual presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT-RS), está na lista tríplice para o cargo de novo ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST). O Pleno do TST escolheu na tarde desta sexta-feira (11) os três nomes que concorrem à vaga. Além de Rossal, foram indicados os desembargadores Sérgio Pinto Martins, do TRT da 2ª Região (SP), e Wolney de Macedo Cordeiro, do TRT da 13ª Região (PB).

A vaga em aberto é destinada a magistrado de carreira e decorre da aposentadoria do ministro Alberto Bresciani. A lista com os três nomes segue para apreciação do presidente da República, a quem caberá escolher um deles.

Natural de Alegrete, Francisco Rossal de Araújo tomou posse como juiz do Trabalho substituto da 4ª Região em 27 de setembro de 1990. Em 22 de junho de 1993, assumiu a titularidade da 1ª Vara do Trabalho (VT) de Erechim. Também foi titular da VT de São Gabriel, da 27ª VT de Porto Alegre, da VT de Rosário do Sul e da 16ª VT de Porto Alegre. Tomou posse como desembargador em 28 de maio de 2012. Foi vice-presidente do TRT-RS no biênio 2020/2021 e é o atual presidente da Corte, no biênio 2022/2023.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo