Artigos

A menina que queria tirar todo tipo de coisas de dentro do seu peito: 75 anos do Diário de Anne Frank – por Leonardo da Rocha Botega

“Escrever um diário é uma experiência realmente estranha para alguém como eu. Não somente porque nunca escrevi nada antes, mas mesmo eu, pelos pensamentos de uma garota de treze anos. Bom, não importa. Tenho vontade de escrever, e tenho necessidade ainda maior de tirar todo tipo de coisas de dentro de meu peito”.

Foi desta forma que Anne Frank iniciou a escrita de seu relato do dia 20 de junho de 1942 em seus diários. Oitos dias antes, a menina de treze anos havia começado seus relatos na expectativa de “poder contar tudo” como “nunca pode contar a ninguém”, esperando que aquelas páginas em branco fossem uma “grande fonte de conforto e ajuda”.

Judia, Anne viveu escondida juntamente com oito pessoas no sótão de uma casa em Amsterdã, nos Países Baixos, entre 6 de julho de 1942 e 4 de agosto de 1944, mantendo uma escrita relativamente periódica entre 12 de julho de 1942 e 1º de agosto de 1944.

Anne Frank foi capturada pelo temido Sicherheitsdienst, o Serviço de Inteligência da polícia nazista, e enviada, primeiramente, para a prisão de Amsterdã, depois para o campo de trânsito de Westerbork. Posteriormente seria enviada, juntamente com as pessoas com quem dividia o seu Anexo Secreto, para o campo de concentração e extermínio de Auschwitz-Birkenau. A viagem até Auschwitz levou três dias, foi feita em um trem com mais de mil pessoas apertadas em vagões de gado com pouca água e comida.

Ao chegar em Auschwitz, Anne foi avaliada por médicos nazistas que averiguaram “as suas capacidades” para o trabalho pesado realizado no campo. Acabou sendo colocada com a irmã e a mãe no campo de trabalho para mulheres. Em novembro de 1944, foi transferida com a irmã para o campo de concentração de Bergen-Belsen. Seus pais permaneceram em Auschwitz. Anne e a irmã morreram em fevereiro de 1945, vítimas da febre tifoide, do frio e das péssimas condições de Bergen-Belsen, mas, sobretudo, do totalitarismo nazista.

Foram Miep Gies e Bep Voskuijl, secretárias que trabalhavam no prédio onde Anne ficou escondida, que encontram os seus diários. Estavam espalhados pelo chão. Foram recolhidos e guardados em uma gaveta. Após a guerra, Miep Gies entregou os diários ao pai de Anne, Otto Frank, que conseguiu sobreviver ao terror do campo de Auschwitz.

Foi ele que organizou os papeis e decidiu pela publicação do Diário, escrito, primeiramente, como “fonte de conforto e ajuda”. Somente em 1944, quando Gerrit Bolkestein (membro do governo dos Países Baixos no exílio) anunciou que após a guerra esperava recolher testemunhos do sofrimento de seu povo sob o domínio nazista, é que Anne passou a ter outro objetivo para a sua escrita: a publicação de seu diário.

O Diário de Anne Frank foi publicado em sua primeira versão em 25 de junho de 1947, incialmente com uma pequena tiragem de 3.036 exemplares. Em 1950, seria publicada sua primeira versão em alemão, pouco mais de 4.600 exemplares. Foi somente em 1956, com uma edição mais barata, que o livro começou a se popularizar.

Neste mesmo ano, foi adaptado para uma peça de Teatro, fazendo muito sucesso na Alemanha. Três anos depois, Hollywood o adaptaria ao cinema. Desde seu lançamento, o Diário de Anne Frank, em suas várias edições disponíveis em setenta idiomas, foi lido por milhões de pessoas, sobretudo por jovens e adolescentes.

O Diário de Anne Frank se tornou um dos principais testemunhos sobre o Holocausto e a Segunda Grande Guerra. A narrativa, ora nostálgica, triste e melancólica, ora esperançosa, tocou e toca profundamente a sensibilidade de seus leitores. A menina que queria tirar todo tipo de coisas de dentro do seu peito acabou produzindo, para além dos dramas de uma adolescente, um dolorido relato sobre vidas e sonhos interrompidos pelo totalitarismo. Um relato que 75 anos depois deve seguir sendo lido, relido, refletido e discutido, como um verdadeiro antídoto contra os negacionismos históricos, tão presentes em nossa sociedade.   

(*) Leonardo da Rocha Botega, que escreve no site às quintas-feiras, é formado em História e mestre em Integração Latino-Americana pela UFSM, Doutor em História pela UFRGS e Professor do Colégio Politécnico da UFSM. É também autor do livro “Quando a independência faz a união: Brasil, Argentina e a Questão Cubana (1959-1964).

Nota do Editor. Arte com trecho original do Diário, uma reprodução obtida na internet. Você pode encontrar a imagem, por exemplo, AQUI.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo